Num comunicado enviado à agência Lusa, o Ministério afirma que “as faltas motivadas por adesão a uma greve ilícita serão consideradas a partir de amanhã [quarta-feira], sendo “atribuídas mediante uma análise caso a caso, contemplando a forma como cada enfermeiro exerceu a greve”.

O esclarecimento do Ministério surge na sequência do parecer do conselho consultivo da Procuradoria-geral da República, que considera a primeira greve cirúrgica dos enfermeiros como ilícita, por ter decorrido de um modo diferente do que constava no pré-aviso e devido à forma como foi feita a recolha de fundos para compensar os grevistas.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.