"O desejo que todos temos é que este esforço final que está a ser feito para permitir levantar a última greve que ainda está em curso e abrir as portas a um diálogo total seja possível e possamos entrar já nesta nova quinzena de agosto sem mais preocupações nesta matéria", disse aos jornalistas no final do encontro semanal com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, no Palácio de Belém.

O primeiro-ministro espera que se esteja "já na ponta final desta situação" e que, "tal como aconteceu com a Fectrans, tal como aconteceu com o SIMM, que seja possível com o Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas "encontrar as condições para que se possam sentar à mesa com a Antram".

Como "resta um único sindicato que ainda mantém a greve", o desejável para António Costa é que "as reuniões de hoje fossem coroadas de sucesso".

"E portanto pudéssemos já ir para o fim de semana com este problema ultrapassado, caso contrário iremos continuar a persistir", assegurou.

Ao fim de uma semana em que muitos receavam que "o país fosse parar, o chefe do executivo sublinhou que "o país não parou".

"Todos temos limitações, mas o país está a funcionar normalmente", enalteceu.

Costa espera assim que seja também possível com o SNMMP fazer aquilo que todos desejam que é que "esta greve acabe, que a normalidade plena seja possível de ser restabelecida e que as negociações decorram".

"Porque tem sido um enorme esforço para o país. Os contribuintes têm suportado um custo muito significativo com o empenho das nossas Forças Armadas e das nossas forças de segurança ao longo de toda a semana neste conflito", avisou.

O primeiro-ministro escusou-se a comentar as críticas do presidente do PSD à atuação do Governo perante a greve dos motoristas, considerando que Rui Rio "porventura" não acompanhou com atenção por estar em uso "legítimo" de férias.

António Costa formulou, em tom irónico, um desejo a Rui Rio: "Que conclua com felicidade as suas férias".

Começando por explicar aos jornalistas que teve ocasião, na habitual reunião semanal com o Presidente da República, de informar Marcelo Rebelo de Sousa do desenvolvimento da situação da greve ao longo desta semana, o líder do executivo registou "com grande satisfação que ao fim de uma semana tudo correu de forma pacífica".

"Quero expressar uma palavra de gratidão às Forças Armadas e às forças de segurança pela forma exemplar como têm desempenhado a suas funções", enalteceu.

Na perspetiva do primeiro-ministro, "todos devemos uma palavra de grande solidariedade com os portugueses, que têm manifestado um civismo exemplar".

"A nossa atuação tem sido sempre minimalista para evitar que haja perturbação nas oportunidades de diálogo", assegurou, considerando que "hoje ninguém tem dúvidas no país que os serviços mínimos foram adequados".

Segundo António Costa, "tem havido muitos boatos que tem sido desfeitos", dando o exemplo de que "ninguém foi detido" por incumprimento da requisição civil, ao contrário do que foi avançado pelo SNMMP.

"Dentro do quadro de uma situação de grande gravidade, a verdade é que foi possível atuar de uma forma proporcional, adequada, garantido o respeito de todos, evitando que o país paralisasse", observou.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e o primeiro-ministro, António Costa, reuniram-se hoje no Palácio de Belém, em Lisboa, para o habitual encontro semanal, uma reunião que começou com meia de hora de atraso em relação ao horário que havia sido anunciado.

Este encontro acontecia ao mesmo tempo que, no Ministério das Infraestruturas e Habitação, se mantinham reuniões com o Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP).

O presidente do SNMMP, Francisco São Bento, disse hoje que, se houver negociação com a Antram, a greve que começou na segunda-feira por tempo indeterminado "será suspensa" até ao início de um plenário marcado para domingo.

O dirigente sindical falava aos jornalistas pouco depois das 16:00, à entrada de uma reunião no Ministério das Infraestruturas e Habitação, em Lisboa, à qual chegou acompanhado pelo advogado e porta-voz do SNMMP, Pardal Henriques.

Na quinta-feira à noite, no final de uma reunião no mesmo ministério, o Sindicato Independente de Motoristas de Mercadorias (SIMM) desconvocou a greve e retomou as negociações com a Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (Antram).

Na quarta-feira, a Antram chegou a entendimento com a federação sindical da CGTP, a Fectrans, que não tinha convocado esta greve.

(Notícia atualizada às 21h18)

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.