“A greve está a ser realizada por categorias específicas. Hoje abrangeu o setor dos marinheiros e teve uma adesão de 50%. Amanhã [sexta-feira] serão os administrativos, os agentes comerciais, os ficais e auxiliares de terra”, disse.

No que diz respeito aos trabalhadores da Transtejo, o sindicalista adiantou que a adesão à greve parcial terá rondado os 40%.

Os trabalhadores da Soflusa iniciaram na terça-feira um ciclo de quatro dias de greve, com paralisação durante todo o período de trabalho, enquanto os trabalhadores da Transtejo iniciaram na segunda-feira um ciclo de greves parciais, de três horas por turno de serviço, que durará até sexta-feira.

De acordo com a Fectrans, os trabalhadores exigem o aumento dos salários e medidas que combatam a degradação do serviço público, devido à falta de trabalhadores e ao envelhecimento da frota.

Atualmente, adianta a estrutura sindical, a Transtejo já tem navios novos (do concurso de navios elétricos), mas por falta de baterias estão imobilizados.

Por outro lado, por falta de trabalhadores “há recurso a imensas horas extraordinárias, havendo trabalhadores com horários de 16 horas por dia”, indicou fonte sindical.

Desde o início do ano, mais de mil circulações não foram efetuadas.

A Transtejo e a Soflusa têm a mesma administração e ambas asseguram as ligações fluviais entre a margem sul e Lisboa.

A Transtejo é responsável pela ligação do Seixal, Montijo, Cacilhas e Trafaria/Porto Brandão, no distrito de Setúbal, a Lisboa, enquanto a Soflusa faz a travessia entre o Barreiro, também no distrito de Setúbal, e o Terreiro do Paço, em Lisboa.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.