Segundo o presidente do Sindicato Nacional do Corpo da Guarda Prisional (SNCGP) Jorge Alves, a greve é um protesto contra a falta de avaliação de desempenho, que “há cinco anos aguarda regulamentação”, a classificação de serviço de 2018 “que devia ter sido conhecida em abril” e os horários de trabalho que “vieram diminuir a vigilância dos reclusos”.

Jorge Alves adiantou que, após a entrega do pré-aviso de greve, o sindicato foi chamado pelo diretor-geral de reinserção de serviços prisionais, mas que a reunião “foi inconclusiva”.

O sindicato critica também a postura do Ministério da Justiça que diz “não privilegiar as negociações nem o diálogo social” nem "cumprir o prometido".

A remuneração dos guardas segundo a tabela da PSP é outra das reivindicações, tendo Jorge Alves referido que a secretária de Estado da Justiça tinha prometido ao sindicato que a questão estaria regulamentada no espaço de três meses.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.