Militares da Guatemala evitaram neste sábado um "possível ataque" contra a comitiva do presidente Alejandro Giammattei, que fazia uma visita oficial a uma vila numa região à fronteira com o México, informou o porta-voz do Exército, Rubén Tellez.

O confronto entre soldados e indivíduos armados ocorreu num posto de registo e segurança perimetral localizado a menos de 2 quilómetros de La Laguna, no município de Jacaltenango.

"Unidades do Exército guatemalteco solicitaram que um veículo que se aproximava do local parasse, mas os ocupantes do mesmo, ao perceberem a presença de militares, iniciaram uma série de disparos, aos quais os soldados responderam", indicou Tellez. "A reação dos ocupantes do veículo mereceu a resposta que foi dada e tratar o ocorrido como um possível ataque à comitiva e à integridade do senhor presidente."

Segundo imagens partilhadas pelo exército, o confronto ocorreu numa área montanhosa de Huehuetenango, perto da fronteira com o México, onde costumam atuar grupos de narcotraficantes. Um suposto cidadão mexicano foi baleado no confronto, e os acompanhantes fugiram para o lado mexicano, onde autoridades prenderam quatro pessoas, possivelmente de origem guatemalteca ligadas ao incidente.

Uma granada e um radiotransmissor foram encontrados no local do ataque.

"Informamos o povo da Guatemala e a comunidade internacional que o presidente da república encontra-se ileso e foi retirado do local de maneira oportuna", assinalou o governo, acrescentando que "as operações de investigação das forças de segurança da Guatemala e do México para colher as informações que permitam determinar as intenções desse grupo continuam".

“Confirma-se o ataque à comitiva presidencial na aldeia de La Laguna, Jacaltenango, Huehuetenango”, noticiou também a rádio guatemalteca SONORA.

A emissora acrescentou que o exército do país respondeu ao atentado, que resultou num ferido de 27 anos. Trata-se de Carlos José López Velásquez, de nacionalidade mexicana, alegadamente membro do grupo armado.

De acordo com a agência de notícias Europa Press, agentes do exército da Guatemala e do México patrulhavam a fronteira entre os dois países no momento em que um grupo de indivíduos armados atacou.

Os agressores terão fugido para o México, a cerca de 30 quilómetros, onde agentes das forças armadas mexicanas terão detido quatro guatemaltecos.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.