Este país nórdico já enviou cerca de 200 soldados e aviões de combate para a Estónia e para a Lituânia, bem como uma fragata para o leste do Mar Báltico.

“Já lá temos uma presença significativa, mas estamos prontos para colocar mais”, disse em conferência de imprensa a primeira-ministra dinamarquesa, Mette Frederiksen.

“Por isso, o governo vai propor enviar um batalhão de cerca de 800 (soldados) para os países bálticos”, anunciou a propósito desta intervenção de ajuda dinamarquesa na crise ucraniana.

Este batalhão já tinha sido colocado em sobreaviso para a possibilidade de poder ser enviado, em caso de necessidade.

Para tal, a NATO deve formalizar junto da Dinamarca o pedido de envio dos soldados para o terreno, informou a chefe do governo.

Mette Frederiksen deve viajar quarta e quinta-feira para a Estónia, Letónia e Lituânia, com os líderes partidários dinamarqueses, de forma a visitar as tropas dinamarquesas.

Este anúncio ocorreu depois de o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky ter discursado hoje no parlamento dinamarquês, onde agradeceu a ajuda de Copenhaga.

A Dinamarca, como muitos outros países europeus, enviou armas para apoiar a Ucrânia.

A Dinamarca anunciou no início de março a pretensão em aderir por referendo à política de defesa da União Europeia, da qual estava afastada há três décadas, bem como um significativo reforço em termos militares.

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que matou pelo menos 1.179 civis, incluindo 104 crianças, e feriu 1.860, entre os quais 134 crianças, segundo os mais recentes dados da ONU, que alerta para a probabilidade de o número real de vítimas civis ser muito maior.

A guerra provocou a fuga de mais de 10 milhões de pessoas, incluindo mais de 3,9 milhões de refugiados em países vizinhos e quase 6,5 milhões de deslocados internos.

A ONU estima que cerca de 13 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.