Cerca de 6.000 foram mobilizados para a ocasião, disse uma fonte policial à agência France-Press (AFP), o dobro do número normalmente requisitado quando as autoridades esperam manifestações.

A República Popular da China celebra a sua criação a 1 de outubro, um feriado público que dá origem a festividades oficiais altamente regulamentadas.

Mas, em Hong Kong, este feriado nacional é também uma oportunidade para uma parte da população expressar a sua raiva perante o desejo de Pequim de fazer recuar as liberdades garantidas da antiga colónia britânica.

Helicópteros exibindo bandeiras chinesas e de Hong Kong sobrevoaram o território, com a chefe do executivo, Carrie Lam, e funcionários chineses a participaram numa comemoração oficial no centro de exposições da ilha.

No ano passado, o 70.º aniversário da fundação da República Popular da China, Hong Kong foi palco de confrontos violentos entre manifestantes e polícias.

Este ano, as autoridades proibiram todas as manifestações por razões de segurança e em conformidade com as medidas de combate ao coronavírus, que impedem a concentração pública de mais de quatro pessoas.

Quatro membros de um movimento de oposição lançaram slogans pró-democracia perto do centro de exposições onde a cerimónia oficial foi realizada na manhã de hoje.

Os ativistas pró-democracia têm apelado à realização de comícios do tipo “flash mob” nas redes sociais.

De manhã, a polícia começou a revistar veículos que percorriam um dos túneis de acesso mais importantes de Hong Kong.

Pelo menos cinco pessoas foram detidas esta semana por suspeita de terem cometido atos violentos, disse a polícia de Hong Kong.

Mais de 10.000 pessoas foram detidas por participarem em protestos nos últimos 16 meses, juntamente com vários líderes pró-democracia.

Joshua Wong, um dos rostos mais conhecidos do ativismo pró-democracia em Hong Kong, foi detido na passada quinta-feira por ter participado numa manifestação em 2019. O ativista foi entretanto libertado.

A mobilização foi muito forte até ao final do ano passado com manifestações que chegaram a ter dois milhões de pessoas.

Mas estas milhares de detenções, e especialmente a chegada do coronavírus, conseguiram asfixiar o movimento no início do ano.

Em junho, a resposta de Pequim aos protestos que se arrastavam há um ano em Hong Kong surgiu com a imposição da lei da segurança nacional na região administrativa especial chinesa, o que levou ativistas a refugiarem-se no Reino Unido e em Taiwan.

Aquela lei pune atividades subversivas, secessão, terrorismo e conluio com forças estrangeiras com penas que podem ir até à prisão perpétua.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.