O realizador e escritor influenciou toda uma geração de cineastas afro-americanos, incluindo Spike Lee e John Singleton, com filmes que apresentavam a comunidade afro-americana que fez parte do ‘boom’ do cinema negro nos EUA nos anos 70.

Van Peebles era conhecido por dirigir clássicos como os clássicos indies “Sweet Sweet Sweet Sweetback’s Baadasssss Song” – que serão exibidos esta semana no Festival de Cinema de Nova Iorque pelo seu 50.º aniversário – “The Story of a Three-Day Pass”, “Watermelon Man” e “Don’t Play Us Cheap”.

“Sweet Sweet Sweetback’s”, que conta a história de um homem afro-americano em fuga das autoridades brancas, foi filmado em 19 dias com um orçamento de 500.000 dólares, mas acumulou mais de 10 milhões de dólares nas bilheteiras, tornando-o o filme independente com maior sucesso financeiro na época.

“Numa carreira sem paralelo, distinguida pela inovação incansável, curiosidade sem limites e empatia espiritual, Melvin Van Peeble deixou uma marca indelével no panorama cultural internacional através dos seus filmes, romances, peças de teatro e música”, disse a Colecção Criterion, o distribuidor de muitos dos seus filmes.

“O meu pai sabia que as imagens negras eram importantes”, disse um dos seus filhos, Mario Van Peebles, numa declaração.

“Queremos ser o sucesso que vemos, e por isso precisamos de nos ver livres”, acrescentou, numa declaração, na qual frisou ainda que “a verdadeira libertação não significava imitar a mentalidade do colonizador”.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.