Os números foram avançados pelo chefe da região da África Austral do Gabinete de Coordenação dos Assuntos Humanitários da ONU (OCHA, na sigla em inglês), Gema Connell, em conferência de imprensa, que declarou ter recebido uma atualização do Governo moçambicano, “que confirma que o número de mortos aumentou para 242”.

No balanço feito durante a visita que realizou à cidade de Mutare, no leste do país, a ministra da Defesa, Oppah Muchinguri, revelou que mais de 120 corpos foram levados para território moçambicano, nas inundações e cheias que se seguiram à passagem do ciclone Idai pelos dois países, e ainda pelo Maláui.

Estes corpos juntam-se aos restantes 139 mortos anteriormente confirmados pelas autoridades do Zimbabué.

"A maioria dos corpos foi levada para Moçambique [nas inundações] e porque estavam em mau estado de conservação, eles [em Moçambique] acabaram por os enterrar”, disse Muchinguri.

As únicas estimativas conhecidas do Maláui continuam inalteradas, em 56 mortos e 177 feridos.

No total, entre Moçambique, Zimbabué e Maláui estão confirmados pelo menos 557 mortos na sequência da passagem do ciclone Idai.

Entretanto, no Zimbabué, camiões carregados de alimentos, remédios e outros bens de primeira necessidade e de emergência doados por igrejas, cidadãos e empresas privadas continuam a chegar a Mutare.

De visita às áreas afetadas pelo ciclone, o Presidente da República do Zimbabué, Emmerson Mnangagwa, disse que testemunhou "um desespero absoluto".

O chefe de Estado convocou dois dias de luto nacional no Zimbabué, a partir de sábado.

Em Moçambique, o último balanço do Governo aponta para 242 mortos em consequência da passagem do ciclone pelo centro do país, enquanto as únicas estimativas conhecidas no Maláui continuam inalteradas, em 56 mortos e 177 feridos.

O Idai, com fortes chuvas e ventos de até 170 quilómetros por hora, atingiu a Beira (centro de Moçambique) na noite de 14 de março, deixando os cerca de 500 mil residentes na quarta maior cidade do país sem energia e linhas de comunicação.

[Notícia atualizada às 22h39]

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.