Segundo o Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) do Porto, o fogo, que teve inicio cerca das 12:30, foi considerado dominado às 19:15 e decorrem agora trabalhos de consolidação.

Também o comandante dos Bombeiros Voluntários Tirsenses, Vítor Pinto, referiu que o incêndio já estava dominado e que irão decorrer trabalhos de rescaldo durante toda a noite.

“Foi afetada uma vasta área e é necessário manter a vigilância”, frisou, em declarações aos jornalistas no terreno, explicando que o fogo atingiu uma zona de mato e de floresta “bastante densa” com acessos difíceis.

Apesar das dificuldades, não se registou danos em qualquer infraestrutura, adiantou ainda.

Vítor Pinto sublinhou também que os muitos meios aéreos que estiveram destacados permitiram um ataque ampliado ao fogo.

De acordo com a informação disponível às 20:15 no ‘site’ da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), continuavam mobilizados no local 161 operacionais, apoiados por 47 viaturas.

Durante a tarde, segundo uma fonte dos bombeiros locais, o fogo lavrou perto de uma zona industrial e em direção ao concelho de Santo Tirso.

Fonte dos bombeiros voluntários de Paços de Ferreira indicou à Lusa que as chamas estavam a dirigir-se “para Santo Tirso” e que estavam perto da fábrica de mobiliário da multinacional sueca Ikea e também do radar da Força Aérea Portuguesa instalado naquela zona, “mas não entraram na área militar”.

No mesmo distrito, lavra desde as 14:25 um incêndio florestal em Sanche, concelho de Amarante, que mobilizava, às 20:15, 93 bombeiros com o apoio de 26 meios terrestres e um meio aéreo.

Fonte do CDOS do Porto indicou à Lusa que o incêndio tem duas frentes ativas e que não se encontravam, pelas 20:00, infraestruturas em perigo.

(Notícia atualizada às 20h37)

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.