"Há muitos desleixos nas queimadas, assim como há muitos condutores apanhados por excesso de velocidade, portanto o setor agrícola não está imune a esse mau comportamento cívico" existente em Portugal, afirmou Eduardo Oliveira, à margem da reunião do conselho consultivo da CAP na região oeste.

Para o dirigente, "é preciso alterar comportamentos" no país.

Ainda assim, disse que "não é normal muitos incêndios começarem de noite" e que, em vez de se responsabilizar o setor florestal, na sua opinião, se deve reformular todo o dispositivo da Proteção Civil.

Eduardo Oliveira defendeu que o "voluntariado é insuficiente", uma vez que "a figura do bombeiro voluntário se adequa pouco à gravidade dos incêndios" que vão assolando Portugal e que, pela sua complexidade, "o combate tem de ser feito por profissionais".

As centenas de incêndios que deflagraram no domingo, o pior dia de fogos do ano segundo as autoridades, provocaram pelo menos 31 mortos e dezenas de feridos, além de terem obrigado a evacuar localidades, a realojar as populações e a cortar o trânsito em dezenas de estradas.

O primeiro-ministro, António Costa, anunciou que o Governo assinou um despacho de calamidade pública, abrangendo todos os distritos a norte do Tejo, para assegurar a mobilização de mais meios, principalmente a disponibilidade dos bombeiros no combate aos incêndios.

Portugal acionou o Mecanismo Europeu de Proteção Civil e o protocolo com Marrocos, relativos à utilização de meios aéreos.

Esta é a segunda situação mais grave de incêndios com mortos este ano, depois de Pedrógão Grande, no verão, um fogo que alastrou a outros municípios e que provocou 64 mortos e mais de 250 feridos.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.