Estas votações tiveram lugar no parlamento precisamente dois meses depois dos trágicos incêndios de outubro passado na região Centro do país e em que o histórico pinhal de Leiria foi um dos locais devastados.

Tirando alguns artigos apresentados pelo PAN (Pessoas-Animais-Natureza) referentes a aspetos específicos da futura ação de reflorestação, que foram rejeitados pelo PSD e PCP, os deputados aprovaram na maioria das vezes sem votos contra, ou por unanimidade, os diferentes projetos em apreciação.

O PCP, no seu projeto, que foi aprovado por unanimidade, considera que "uma das questões centrais para evitar mais tragédias como esta é uma maior responsabilização do Estado na gestão da floresta, na prevenção e combate a incêndios e no ordenamento do território e combate à desertificação".

No mesmo diploma, a bancada comunista manifesta repúdio por soluções de privatização ou municipalização do pinhal de Leiria.

"O problema do pinhal de Leiria não é o princípio da gestão pública pelo Estado, mas sim a carência de meios para que essa gestão seja eficiente e de qualidade e o progressivo desinvestimento do Estado neste importante recurso e património nacional essencial para o equilíbrio ambiental em Portugal", sustenta-se.

Enquanto o CDS-PP recomenda ao Governo que apresente um plano de reflorestação do Pinhal de Leiria, assegurando a manutenção das características que estiveram na sua origem, o PSD aponta que a área ardida em outubro passado foi superior a 80%".

Ora tal, para os sociais-democratas, "desmistifica o facto de os incêndios florestais estarem unicamente relacionados com a falta de prevenção ao nível do ordenamento rural e da floresta portuguesa. Na verdade, os incêndios rurais são um enorme desafio para o nosso país e não podem ser encarados sem uma visão integrada do território, da estrutura fundiária da propriedade, das economias locais e principalmente da viabilidade e exequibilidade dos planos de prevenção e combate a catástrofes", refere-se no diploma do PSD.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.