De barco, comboio ou carro, são muitos os turistas que chegam todos os anos à vila do Pinhão, junto ao rio Douro, no distrito de Vila Real.

A localidade é considerada um importante ponto turístico no Douro Património Mundial da Humanidade e, no pico do verão, entre julho e setembro, fica caótica, com graves constrangimentos de trânsito, muito devido ao elevado número de autocarros e também de viaturas de transportes das quintas produtoras de vinho.

O presidente da Câmara de Alijó, José Paredes, afirmou à agência Lusa que o município está a ultimar um plano de intervenção integrado para o Pinhão, que deverá estar concluído até ao final do ano e cujo investimento deverá rondar os quatro milhões de euros.

“O problema do Pinhão é claramente ambiental”, afirmou o autarca social-democrata.

É que, adiantou, a vila possui também graves problemas a nível de infraestruturas básicas, com uma rede de esgotos com cerca de 50 anos e um sistema de águas pluviais que não consegue responder às necessidades.

“Sempre que há uma enxurrada verificam-se grandes problemas”, salientou.

A intervenção na localidade “é prioritária” para o atual executivo e, segundo o autarca, a intenção é que a obra arranque em 2019, de forma faseada.

O projeto prevê a requalificação da principal avenida, a António Manuel Saraiva, o alargamento da via, entrando em área privada da REFER, a criação de mais lugares de estacionamento para veículos ligeiros e de estacionamento temporário para autocarros, a substituição de todas as infraestruturas, saneamento e rede de águas pluviais.

Será ainda intervencionada a área próxima ao rio, entre as pontes sobre os rios Douro e Pinhão.

O investimento previsto é “incomportável” para os cofres do município, que procura apoio junto do Ministério do Ambiente.

“Estou convencido de que será através do Fundo Ambiental que o poder central poderá ajudar o Pinhão. Penso que é possível criar aqui um estatuto de exceção para o Pinhão e conseguir que, de alguma forma, vários fundos estruturais consigam concorrer para o mesmo objetivo”, salientou.

A presidente da Junta de Freguesia do Pinhão, Sandra Moutinho, afirmou à Lusa que a intervenção na principal artéria da vila é “urgente e prioritária”, mas a autarca lamentou que o projeto esteja a “demorar demasiado tempo a avançar”.

Para além dos problemas nas infraestruturas básicas, a responsável elencou ainda os “passeios estreitos e esburacados” e os fios nas fachadas das casas, que gostava de ver enterrados.

“Fazendo essa renovação da rua António Manuel Saraiva as pessoas já viam o Pinhão organizado”, frisou.

Sandra Moutinho salientou que o seu executivo tem batalhado pelas obras, tem efetuado reuniões com várias entidades e frisou que este projeto não é da vila nem do concelho de Alijó, mas sim de toda a região duriense.

José Paredes afirmou que, durante anos, o “Pinhão não teve a atenção que deveria” e, por isso, os “problemas foram-se agudizando, agravando e, agora, qualquer intervenção é muito pesada e complexa”.

Para este projeto é preciso ainda, frisou, ouvir e obter pareceres de várias entidades, desde a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDRN), a Agência Portuguesa do Ambiente (APA), a Administração dos Portos do Douro, Leixões e Viana do Castelo (APDL) ou a REFER.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.