“A polícia federal retomou a investida, os nossos canhões estão a disparar contra as linhas de defesa do Daesh”, disse o comandante da polícia federal iraquiana, Raed Shaker Jawdat, utilizando um dos acrónimos pelos quais o grupo ‘jihadista’ é designado.

Forças da polícia federal, unidades de elite da polícia, militares e combatentes paramilitares participam na ofensiva contra Mossul.

A ofensiva marca uma nova fase na operação militar lançada a 17 de outubro para recuperar Mossul, a segunda maior cidade do país, “capital” do grupo Estado Islâmico no Iraque há dois anos.

Helicópteros iraquianos dispararam mísseis contra a aldeia de Abu Saif, às primeiras horas da manhã, sobretudo numa colina virada para o aeroporto de Mossul que constitui uma das principais linhas de defesa dos ‘jihadistas’ nos arredores sul.

Cerca do meio-dia, as forças iraquianas entraram na povoação e assumiram o controlo, mas os combates prosseguem.

Outras unidades, em veículos blindados, progridem para a base militar de Ghazlani, nos arredores sudoeste da cidade.

Militares da coligação internacional liderada pelos Estados unidos também foram vistos a avançar na direção de Abu Saif, lado a lado com a polícia iraquiana.

No domingo, o secretário da Defesa norte-americano, Jim Mattis, afirmou durante uma visita a Abu Dhabvi, capital dos Emirados Árabes Unidos, que tropas norte-americanas “estão muito perto, se não mesmo já envolvidas”, na batalha por Mossul.

Do lado dos ‘jihadistas’, bombas lançadas por aviões não-tripulados mataram hoje pelo menos 11 civis num bairro de Mossul que não controlam.

O grupo extremista reivindicou o ataque e afirmou que ele foi perpetrado por um bombista suicida britânico.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.