“Há apenas duas possibilidades de os enfrentar, ou derrotá-los – e é sempre uma possibilidade – ou dissuadi-los e atualmente estamos envolvidos numa dissuasão firme”, disse Netanyahu a embaixadores em Telavive.

“Devo dizer que não excluímos qualquer possibilidade”, adiantou.

O primeiro-ministro israelita explicou que o que o Estado hebreu tenta fazer ao movimento islâmico Hamas é: “diminuir as suas capacidades, os seus meios terroristas e a sua determinação”.

“Esperamos poder restabelecer a calma e esperamos poder fazê-lo rapidamente. Quero dizer que fazemos isto tentando ao máximo evitar vítimas civis”, disse ainda.

Desde o início, a 10 de maio, deste novo ciclo de violência entre Israel e grupos armados na Faixa de Gaza, com o Hamas à frente, pelo menos 219 palestinianos foram mortos em ataques israelitas ao enclave palestiniano densamente povoado e sob bloqueio, segundo o Ministério da Saúde local.

Do lado israelita, morreram 12 pessoas nos disparos de ‘rockets’ a partir do território palestiniano, de acordo com a polícia.

Nos mais de 820 bombardeamentos que dizem ter feito a Gaza, as forças israelitas referem ter tido como alvos, além de locais de lançamento de ‘rockets’, vários quartéis-generais do Hamas, as casas dos seus dirigentes, equipamento e passagens subterrâneas utilizadas para movimentar munições e ativistas.

“Analisamos a questão do momento oportuno para um cessar-fogo”, mas “preparamo-nos para mais vários dias” de operação, indicou hoje um alto responsável militar do Estado hebreu, adiantando que Israel verifica se a ofensiva “atingiu os seus objetivos”.

Um relatório do Ministério da Informação de Gaza divulgado hoje refere que o território palestiniano foi alvo de 1.615 ataques aéreos israelitas desde dia 10, um número muito superior ao indicado pelo exército israelita.

Face à continuação da violência, a França apresentou na noite de terça-feira um projeto de resolução ao Conselho de Segurança para pressionar a ONU a “assumir” o dossier e assim acabar com o bloqueio, principalmente por parte dos Estados Unidos, à aprovação de uma simples declaração sobre o conflito por parte do órgão executivo das Nações Unidas.

Os combates da última semana começaram após semanas de tensões entre israelitas e palestinianos em Jerusalém Oriental, também relacionadas com despejos de palestinianos de Cheikh Jarrah, que culminaram com confrontos na Esplanada das Mesquitas, o terceiro lugar sagrado do islão, junto ao local mais sagrado do judaísmo.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.