Itália

A Itália registou 1.452 novas infeções de covid-19 nas últimas 24 horas, um número superior aos 1.229 de terça-feira, mas mais de 100.000 testes foram realizados, em comparação com 80.000 do dia anterior, segundo o Ministério da Saúde.

No último dia, houve 12 mortes, em comparação com as nove de terça-feira.

Com os novos dados, o número total de casos no país desde o início da emergência sanitária, a 21 de fevereiro, é de 291.442 e os óbitos de 35.645.

O número de pacientes internados em Unidades de Cuidados Intensivos continua a aumentar e chega agora aos 207, os hospitalizados com sintomas são 2.285, enquanto mais de 38.000 infetados estão isolados em casa.

Atualmente, há portanto mais de 40.000 casos ativos no país.

A região da Campânia foi a que mais novos casos registou nas ultimas 24 horas, com 186, seguida da Lombardia e Véneto com 169 infeções cada, e de Lácio, cuja capital é Roma, com 165.

Segundo a Federação Nacional de Faculdades de Medicina (Fnomceo), desde o início da pandemia em Itália, 177 médicos morreram.

A federação começou a publicar a lista dos profissionais falecidos em março, que se vem alongando e incluiu médicos no ativo, aposentados e os aposentados que voltaram ao serviço devido à emergência pandémica.

Reino Unido

O Reino Unido registou 3.991 novas infeções e 20 mortes por covid-19 nas últimas 24 horas, segundo o ministério da Saúde britânico, numa altura em que o Governo admitiu dificuldades com um “aumento colossal” da procura de testes.

Os números de hoje representam um aumento dos contágios relativamente aos dados de terça-feira, quando foram contabilizadas 3.105 novas infeções e 27 mortes.

O total acumulado desde o início da pandemia da covid-19 no Reino Unido passou hoje para 378.219 de casos de contágio confirmados e para 41.684 óbitos num período de 28 dias após um teste positivo.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, atribuiu hoje a escassez de testes de diagnóstico no Reino Unido, que gerou protestos de setores como a educação e a saúde, a "um aumento colossal na procura", em parte de pessoas "sem sintomas".

“O que estamos a tentar fazer agora é responder a essa demanda em velocidade recorde”, afirmou durante o debate semanal no parlamento, reivindicando que 89% das pessoas que fazem testes recebem os resultados no dia seguinte, embora tivesse prometido antes uma meta de 100% para o final de junho.

"Eu acho que a maioria das pessoas que observam o histórico deste país em termos de realização de testes em todo o território verá que se compara extremamente bem com qualquer outro país europeu”, vincou.

Johnson prometeu aumentar a capacidade para 500 mil testes por dia até o final de outubro, mas a vice-líder do Partido Trabalhista, Angela Rayner, para o chefe do Executivo se apressar a resolver os problemas.

Substituindo o líder da oposição, Keir Starmer, que se encontrava em isolamento por suspeita de infeção de um dos filhos, Rainer apontou para a “incompetência” do governo e alertou para o risco de uma segunda vaga de casos.

“Tiveram seis meses para resolver isso, mas o primeiro-ministro ainda não conseguiu cumprir as suas promessas", lamentou.

Dezenas de cidadãos com sintomas, incluindo trabalhadores desservidos críticos como professores e profissionais de saúde, reclamaram nos últimos dias que eles e os familiares não conseguiram marcar testes ou que o centro mais próximo fica a centenas de quilómetros de distância.

Segundo os últimos dados oficiais, embora o Estado tenha atualmente capacidade para realizar mais 375 mil exames diários, os laboratórios processam cerca de 220 mil por dia, afetando a eficácia do sistema de detecção e rastreamento de casos de infeção, criado para conter a pandemia covid-19.

Espanha

Espanha contabilizou hoje 11.193 novos casos de covid-19, um terço dos quais em Madrid, elevando para 614.360 o número total de infetados até agora, segundo números divulgados pelo Ministério da Saúde espanhol.

Por outro lado, o país registou mais 239 mortes com a doença nas últimas 24 horas, aumentando o total de óbitos para 30.243.

Madrid continua a ser a comunidade autónoma com o maior número de infeções, tendo registado mais 3.438 do que o número notificado na terça-feira.

Deram entrada nos hospitais com a doença nas últimas 24 horas 1.315 pessoas, das quais 470 em Madrid, 158 na Andaluzia e 141 na Catalunha.

Há em todo o país 9.810 pessoas hospitalizadas com a doença, das quais um terço, 3.207, em Madrid, e 1.281 pacientes estão em unidades de cuidados intensivos.

A região mais atingida, Madrid, com cerca de 6,6 milhões de habitantes num país que tem cerca de 47 milhões, decidiu tomar medidas "mais drásticas" para travar o avanço da covid-19, como o “confinamento seletivo" em áreas da cidade com uma maior incidência da pandemia, anunciaram hoje as autoridades regionais.

As medidas, que incluem restrições à mobilidade, irão muito provavelmente afetar os bairros do sul da cidade com forte presença da classe trabalhadora, onde as taxas de contágio do coronavírus têm vindo a aumentar de forma constante desde agosto.

No próximo fim de semana, as medidas serão detalhadas, pretendendo-se baixar a curva do número de pessoas infetadas, porque existe um "relaxamento" do comportamento dos cidadãos que "não se pode permitir", segundo o responsável regional da Saúde.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 936 mil mortos no mundo desde dezembro do ano passado, incluindo 1.878 em Portugal.

Na Europa, o maior número de vítimas mortais regista-se no Reino Unido (41.684 mortos, mais de 378 mil casos), seguindo-se Itália (35.645 mortos, quase 291 mil casos), França (30.999 mortos, mais de 395 mil casos) e Espanha (30.243 mortos, mais de 614 mil casos).

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.