Os dados foram hoje divulgados pela Administração Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos (National Oceanic and Atmospheric Administration, NOAA), que tem registos desde 1880, e que diz que as 10 temperaturas mais quentes de sempre, quer da superfície terrestre quer oceânica, ocorreram todas a partir de 2002.

O resumo, desenvolvido por cientistas dos Centros de Informações Ambientais da NOAA, indica que a temperatura de janeiro, em terra e no mar, foi igual à de 2007, só tendo sido mais quente a de janeiro de 2016.

Contabilizando apenas a superfície terrestre, nas contas da NOAA janeiro foi o quarto mais quente desde 1880, ficando atrás de janeiro de 2007, o mais quente, de 2016 (o segundo mais quente) e 2017. Partes da Austrália e da Ásia bateram recordes no mês passado. A Oceânia teve o janeiro mais quente desde que começaram os registos, em 1910.

Já em relação à temperatura no mar janeiro foi o terceiro mais quente, só abaixo de 2016 (o mais quente de sempre) e 2017.

Quanto à extensão de gelo, o oceano Ártico teve em janeiro a sexta menor dimensão dos últimos 41 anos, com o oceano Antártico a ter a segunda menor extensão de gelo já registada. A cobertura de neve no hemisfério norte esteve dentro da média.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.