Uma mulher de 22 anos acabou por falecer num hospital iraniano depois de ter sido detida pela polícia da moralidade, por alegadamente não cumprir com as normas de vestuário do país.

Mahsa Amini deslocou-se a Teerão, a capital do Irão, para visitar uns familiares, tendo viajado acompanhada desde a província do Curdistão.

Testemunhas no local, segundo o The Guardian, disseram que a mulher foi agredida no momento da detenção, uma alegação que a polícia nega.

Mahsa Amini deveria ter sido libertada após uma "sessão de reeducação", segundo as informações prestadas à família, mas tal não veio a acontecer.

Esta foi mais tarde informada de que Amini tinha sido internada no hospital de Kasra, horas após a sua detenção, tendo sido transferida para a unidade de cuidados intensivos.

Segundo as autoridades, a jovem de 22 anos sofreu um ataque cardíaco, o que a família disputa, dizendo que Mahsa Amini era uma mulher saudável e não sofria de problemas de saúde.

A jovem ficou em coma, tendo o hospital informado a família de que estava em morte cerebral.

O governo iraniano está a planear usar tecnologia de reconhecimento facial para identificar mulheres que não cumpram com o estrito código de vestuário do país, o que causou protestos de várias mulheres, que se filmaram de rosto descoberto nas ruas e nos transportes públicos.

As autoridades responderam com uma maior repressão, aumentando o número de detenções e confissões forçadas na televisão nacional.

Um caso recente foi o de Sepideh Rashno, de 28 anos, detida após um vídeo circular nas redes sociais. Neste vídeo, Rashno era repreendida por um passageiro por nos transportes públicos, por "se vestir de forma inadequada". O passageiro foi forçado a sair do veículo quando os presentes intervieram em defesa da jovem. No entanto, esta acabou detida, espancada e forçada a pedir desculpa na televisão ao passageiro que a assediou.

A utilização do hijab no Irão é obrigatória desde 1979, mas, por mais de uma década, as mulheres têm contestado os limites do estrito código de vestuário.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.