Os moradores das duas regiões do sul da Ucrânia, bombardeadas regularmente nos últimos meses pelas forças russas, foram aconselhados a mudarem-se para áreas mais seguras, nas zonas central e oeste do país, afirmou a vice-primeira-ministra da Ucrânia, Iryna Vereshchuk, acrescentando que o Governo fornecerá “transporte, alojamento e assistência médica”.

A retirada de civis começou pouco mais de uma semana depois da reconquista pela Ucrânia da cidade de Kherson e áreas ao redor, em 11 de novembro.

A libertação da região da ocupação russa foi vista como uma grande vitória no campo de batalha, mas a necessidade de retirar os habitantes mostra que o país ainda vai enfrentar muitas dificuldades devido as bombardeamentos e aos danos provocados por estes em infraestruturas energéticas, sobretudo durante os meses mais frios do inverno.

As autoridades instaladas pela Rússia na região de Kherson também pediram hoje à população para abandonar uma área da margem leste do rio Dnieper, que Moscovo ainda controla, alegando existir um “alto nível de manobras militares” no distrito.

Desde que a Ucrânia recuperou a cidade de Kherson, a Rússia intensificou os ataques aéreos à rede elétrica e a outras infraestruturas, causando apagões generalizados e deixando milhões de ucranianos sem aquecimento, energia ou água, numa altura que o país começa a registar temperaturas mais baixas e neve.

De acordo com a operadora da rede estatal de energia, a Ukrenergo, são esperados hoje apagões durante quatro ou mais horas em 15 regiões ucranianas.

Mais de 40% das instalações de energia do país foram danificadas por mísseis russos nas últimas semanas.

No domingo, vários bombardeamentos abalaram a região de Zaporijia, local onde se situa a maior central nuclear da Europa, pelo que a Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) pediu, de imediato, “medidas urgentes para ajudar a prevenir um acidente nuclear” na instalação ocupada pela Rússia.

Kiev e Moscovo culpam-se mutuamente pelos bombardeamentos na região, depois de semanas de relativa calma.

A área tem sido palco de combates desde que as forças russas ocuparam a central, logo após a invasão da Ucrânia, provocando receio de um acidente nuclear.

Hoje, a operadora russa da central nuclear, a Rosatom, admitiu que existe o risco de um acidente nuclear na central de Zaporijia, tendo o diretor daquela infraestrutura, Alexei Likhachyov, adiantado que conversou com a AIEA durante a noite para reiterar a culpa de Kiev pela situação.

“Aparentemente, Kiev considera aceitável um pequeno incidente nuclear”, disse Likhachyov, defendendo que “deve ser feito tudo para que ninguém pense em invadir a segurança da central nuclear”.

O conflito em curso na Ucrânia, desencadeado por uma ofensiva militar russa iniciada em 24 de fevereiro, mergulhou a Europa naquela que é considerada como a crise de segurança mais grave desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.