“Caso se mantenha esta situação de alguma intransigência entre uma esquerda que devia ser da convergência, há também outras soluções. Não está excluído, por exemplo, que possa haver uma maioria parlamentar que seja com o Livre, PAN e eventualmente até com o PEV, que já algumas vezes votou de maneira diferente do PCP no Orçamento. A isso nós poderíamos chamar uma ‘eco-geringonça'”, sugeriu Rui Tavares.

Em entrevista à agência Lusa, o cabeça-de-lista em Lisboa do Livre às eleições legislativas de 30 de janeiro ressalvou, no entanto, que a alternativa preferida do partido continua a ser “um entendimento o mais amplo possível à esquerda, multilateral, multipartidário”, que resultasse em acordos assinados.

“Uma maioria social, progressista e ecológica tão ampla quanto possível é a melhor maneira para ninguém se pôr de fora, nem se dedicar ao tacticismo ou a tentar, no fundo, ser oposição antes do tempo. Mas é importante que as pessoas saibam que não estamos obrigados ao dilema entre maioria absoluta ou bloco central, entre a arrogância de uns ou a intransigência de outros. Um voto no Livre é um voto que nos livra desses dilemas”, sustentou.

Para o partido, é essencial que haja um compromisso à esquerda para “viabilizar um orçamento e um Governo desde já, para que depois até ao 25 de Abril se apresente uma agenda de um novo modelo de desenvolvimento para Portugal, que não seja a geringonça do passado, mas uma do futuro”.

“Não a geringonça dos gabinetes, entre direções partidárias e secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, mas algo que envolva a sociedade civil, em que haja grupos de trabalho, em que os partidos nomeiem técnicos independentes, em que as organizações não governamentais também participem”, explicou.

Tavares alertou para uma tentativa de colocar o eleitorado “perante dilemas e chantagens” defendendo que “é ao contrário”: são os eleitores que vão dizer “com que linhas” os partidos se vão “coser” no pós-eleições. O dirigente disse ainda que o Livre não vai fazer “exigências de lugares no Governo ou de cargos para o partido” caso se sente à mesa das negociações.

Entre as preocupações do Livre, incluídas no programa eleitoral, está o aumento do Salário Mínimo Nacional para mil euros até ao final da legislatura e ainda a “indexação dos salários à inflação”.

O Livre propõe ainda um “plano de reconversão do edificado” que permita “viver de forma mais confortável nas casas, baixando a fatura da energia e ajudando a salvar o planeta”.

Rui Tavares referiu que atualmente já existe “uma devolução de 85% nos gastos com a climatização das casas” mas que este processo “é muito burocrático” e que “as pessoas têm que meter o dinheiro primeiro e portanto ninguém está a usar”.

Para além disto, o Livre prioriza uma “nova modalidade de transporte público, baseada numa rede de transportes escolares”.

Em 2019 o Livre conquistou pela primeira vez representação na Assembleia da República: a deputada Joacine Katar Moreira que, em fevereiro de 2020, passou à condição de deputada não inscrita, deixando de representar o partido depois de este lhe ter retirado a confiança política.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.