Questionada na conferência de imprensa diária da Direção-Geral da Saúde (DGS) sobre como é que justifica que se mantenha há 26 dias o cordão sanitário no concelho de Ovar, Marta Temido disse que há uma avaliação epidemiológica que é feita pelas autoridades locais e regionais.

Essa avaliação, explicou, é transportada através da Direção-Geral da Saúde para o Ministério da Saúde, que articula com o ministro da Administração Interna e com as demais entidades.

“[Isto leva] a que ainda estejamos perante esta situação que, obviamente, todos queremos que tenha uma limitação temporal o mais curta possível, mas que não vamos optar por alterar sem ter a certeza de que estamos a ir no sentido certo”, afirmou a ministra da Saúde.

Em Ovar, às 12:00 de hoje, a Câmara Municipal registava entre os seus cerca de 55.400 habitantes 20 óbitos associados à covid-19, assim como 568 doentes infetados e 52 recuperados. A Direção-Geral da Saúde, contudo, atribuía hoje, no seu boletim diário, a esse concelho de 148 quilómetros quadrados 416 casos de infeção pela nova doença.

Em 17 de março, o Governo declarou o estado de calamidade pública no concelho de Ovar e, a 19 de março, o estado de emergência em todo o país.

Ambos vigoram até às 23:59 do dia 17 de abril, sendo que a população está proibida de circular fora do seu concelho de residência até às 23:59 de hoje.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.