O balanço anterior desta entidade, revelado na segunda-feira, referia-se a 160 mortos e “pelo menos 20 desaparecidos”, enquanto prosseguem as buscas sob os escombros após a catástrofe.

No domingo, o chefe do batalhão de engenharia do exército libanês, Rojeh Khoury, anunciou o fim da primeira fase das operações de busca e resgate após três dias de trabalhos que envolveram equipas libanesas e internacionais.

Khoury acrescentou que não foram encontrados sobreviventes e que a partir deste momento “diminuiu a esperança de encontrar pessoas com vida”, apesar de prosseguirem as operações para resgatar corpos entre os escombros.

O mesmo responsável precisou que elementos turcos, franceses e russos das equipas de resgate continuam a apoiar os libaneses na “zona vermelha”, a mais atingida pela explosão, enquanto outras equipas de diversos países já se retiraram após darem por concluída a sua missão.

De acordo com as autoridades, a deflagração ocorreu num armazém do porto onde estavam armazenados desde 2014 cerca de 2.750 toneladas de nitrato de amónio sem as devidas medidas de segurança.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.