“Com este projeto inovador, a SCML pretende criar uma solução que incorpore as melhores práticas em termos de paradigmas sociais e que seja a resposta mais adequada nas condições de dignidade, segurança e habitabilidade, exigidas em determinadas situações de emergência”, avançou a instituição, indicando que a criação de um “hotel social” vai garantir um local de habitação temporária para quem se encontre numa situação de fragilidade.

Neste momento, o projeto está numa “fase embrionária”, com a SCML a trabalhar na “identificação do local mais apropriado para desenvolver a obra”.

Em resposta à Lusa, a instituição avançou que a previsão é que “a médio prazo a SCML possa ter esta resposta a funcionar na cidade de Lisboa”.

“O que está previsto, neste momento, aponta para uma capacidade de resposta de cerca de 30 quartos com capacidade para 60 pessoas”, revelou a SCML, referindo que nesta fase embrionária ainda não está definido o modelo em que vai ser disponibilizado este apoio de habitação temporária para situações de emergência.

Relativamente ao investimento no “hotel social”, a estimativa é que seja “avultado”, que contemplará a aquisição do edifício e a respetiva obra.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.