No encerramento do IX Congresso do partido Livre, em Lisboa, o Grupo de Contacto (GC) eleito, pela lista ‘A’, por intermédio de Isabel Mendes Lopes, sublinhou a importância de resolver “rapidamente este impasse em que o partido se encontra”.

Dos 15 membros que compõem o Grupo de Contacto atual, oito são novos, sendo os restantes já membros do GC anterior, no entanto, o grupo sublinha que a votação “foi clara” e que cabe à assembleia decidir sobre a questão da retirada de confiança política à única deputada eleita do partido, Joacine Katar Moreira.

“O congresso votou pela continuidade das pessoas, ideias, e formas de trabalhar, dando um claro voto de confiança e de legitimidade aos novos órgãos”, disse Isabel Mendes Lopes, membro do Grupo de Contacto que entra agora em funções.

A direção admite que os próximos dois anos não serão fáceis, mas acrescenta que “o Livre nunca teve a vida fácil” e que já renasceu “de várias mortes anunciadas”.

O novo Grupo de Contacto relembrou a característica única do Livre, a eleição de candidatos para eleições através de primárias, dizendo que este processo já lhes trouxe “pessoas excecionais”.

“O Livre é de facto um partido diferente e que faz as coisas de forma diferente” o que implica, segundo o GC, “uma forma muito mais escrutinada de fazer política”.

As autárquicas assumem-se como um desafio para o Livre, que, segundo o GC agora eleito, continuará “sempre a procurar entendimentos com forças de esquerda e progressistas”.

Quanto às presidenciais, o Grupo de Contacto reitera o espelhado na moção estratégica, afirmando que vai apoiar uma candidatura que dê prioridade aos princípios do partido.

“Procuraremos apoiar uma candidatura que à Presidência da República que dê prioridade aos nossos princípios: de liberdades e direitos cívicos; de igualdade e da justiça social; do aprofundamento da democracia em Portugal e da construção de uma democracia europeia; bem como da ecologia, da sustentabilidade e da solidariedade intergeracional”, afirmaram.

O discurso relembrou as bandeiras eleitorais do Livre, entre as quais, a ecologia, o europeísmo e a luta pela igualdade social e assumem a ambição de ser “o partido partilhado do século XXI”.

"Por pressão do Livre, o governo já se comprometeu em tornar este 'Green New Deal' [Novo Pacto Verde] europeu uma das prioridades desta presidência [da Comissão Europeia]. Torna-se imperativo liderar o debate nacional sobre esta responsabilidade do país em 2021 e que tem de ser preparada durante 2020", disse o GC, acrescentando que "Não há ecologia sem ideologia. Não há justiça ambiental sem justiça social".

“As ideias e os princípios do Livre são o seu maior património”, reiterou Isabel Mendes Lopes.

No encerramento do IX Congresso do Livre estiveram presentes o presidente da Federação da Área Urbana de Lisboa, Duarte Cordeiro e o presidente da concelhia de Lisboa, Sérgio Cintra, do PS, o eurodeputado José Gusmão e o deputado municipal Ricardo Moreira, do BE, pelo PEV os dirigentes Joaquim Correia e Sobreda Antunes, José Neto do PCP, e ainda um membro do movimento Cidadãos por Lisboa.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.