“Precisamos de mudar o Conselho de Segurança da ONU, é muito importante, eu, durante oito anos que fui Presidente falava com Tony Blair, falava com Gordon Brown, falava com Ângela Merkel, falava com Bush, falava com Obama, com Sarkozy, com Chirac, ou seja, falava com todo o mundo da necessidade de um novo Conselho de Segurança”, disse Lula da Silva, em Luanda.

Para o Presidente brasileiro, que falava hoje em conferência de imprensa de balanço da sua visita de Estado a Angola, o atual formato do Conselho de Segurança das Nações Unidas “já não responde aos objetivos para o qual foi criado”.

“A ONU de 2023 está longe de ter a mesma credibilidade da ONU de 1945. O Conselho de Segurança que deveria ser a segurança da paz e da tranquilidade é o Conselho de Segurança que faz a guerra sem conversar com ninguém”, referiu.

A “Rússia vai para a Ucrânia sem discutir no Conselho de Segurança, os Estados Unidos da América vão para o Iraque sem discutir no Conselho de Segurança, a França e a Inglaterra vão invadir a Líbia sem passar pelo Conselho de Segurança”, criticou.

De acordo com Lula da Silva, quem faz a guerra são os países do Conselho de Segurança, quem produz armas são os países do Conselho de Segurança, quem vende armas são os países do Conselho de Segurança.

“E, então, está errado”, concluiu.

No entender do chefe de Estado brasileiro é preciso que haja uma compreensão de que existem mais países que podem fazer parte daquele órgão, sobretudo a nível do continente africano, da Ásia e da América Latina.

“E nós deixamos claro, nós defendemos que o Brasil entre no Conselho de Segurança, nós defendemos que entrem a índia, Japão, Alemanha, Egito, Nigéria para que a gente possa ter uma representação geográfica mais condizente com a realidade de hoje”, defendeu.

Lula falou também de “incumprimentos graves” dos Estados às recomendações das Conferências Mundiais sobre o Clima: “Nós decidimos muitas coisas e nenhuma delas é cumprida”.

“E não cumprimos porque não tem um Estado soberano, a ONU não tem força para dizer que isso aqui temos de cumprir porque senão haverá determinadas ações para o Estado que não cumprir, não existe”, disse.

Lula da Silva termina hoje a sua visita de Estado de dois dias a Angola e viaja no domingo para São Tomé e Príncipe, onde participa na 14.ª cimeira da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.