McGregor respondia pelo ataque ao autocarro do 'Ultimate Fight Championship' (UFC), que transportava, entre outros, o seu rival Khabib Nurmagomedov após o 'Media Day do UFC 223', em abril, na garagem do Barclays Center, em Brooklyn, Nova Iorque, e arriscava pena de sete anos de prisão por agressão.

Não irá preso, mas terá de pagar uma indemnização, prestar serviço comunitário por cinco dias e frequentar aulas de autocontrole e gestão da raiva. Não terá cadastro e pode retomar de imediato a atividade de lutador de MMA.

Hoje, o juiz Raymond Rodriguez proferiu a sentença, que reconhece o vandalismo, um crime menos grave na legislação local, com as outras acusações retiradas, tanto para McGregor como para Cian Cowley, o outro arguido no processo.

Caem, nomeadamente, as acusações de ofensas corporais a dois lutadores e um funcionário da UFC, feridos por vidros que se partiram quando McGregor arremessou um carrinho de carga contra o autocarro.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.