"Estamos ainda em fase de combate e também de prevenção de novas situações. Ainda não está controlado", disse à agência Lusa o presidente da Câmara de Mangualde, João Azevedo, referindo que, de momento, vive-se uma situação "menos aflitiva".

Segundo João Azevedo, o perigo de o incêndio se aproximar de localidades é menor.

No entanto, "tudo pode mudar, se houver mudanças mais fortes em relação ao vento", notou o autarca, sublinhando que o terreno onde as chamas lavram é "acessível" para o combate.

"Estão muitos meios no terreno. Estamos a tentar resolver de uma forma eficaz toda esta tragédia", frisou o autarca.

Segundo a página na internet da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC), os três incêndios que deflagraram hoje à tarde no concelho de Mangualde, mobilizavam, às 23:00, 393 operacionais, apoiados por 116 viaturas.

De acordo com a ANPC, os três incêndios começaram num intervalo de tempo curto - de 17 minutos -, entre as 15:52 e as 16:09, nas freguesias de Abrunhosa-a-Velha, Cunha Baixa e Santiago de Cassurrães e Póvoa de Cervães.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.