Marcelo Rebelo de Sousa chegou na sexta-feira à República Popular da China, para participar no fórum "Faixa e Rota", iniciativa a que Portugal se associou em dezembro através de um memorando de entendimento, e para uma visita de Estado, entre segunda e quarta-feira, que passa também por Xangai e termina em Macau.

O primeiro lugar a que se deslocou na China foi à Grande Muralha, onde afirmou que as relações luso-chinesas estão num "momento excelente" e que há um "salto qualitativo que é dado, e que é dado durante esta visita, passando de um memorando, que já é do ponto de vista de parceria estratégica muito importante, agora no plano bilateral, para mais do que isso".

Portugal passa a ter com a República Popular da China "um relacionamento político ao nível de países como a França, como o Reino Unido, como os Estados Unidos da América, implicando encontros anuais entre os primeiros-ministros dos dois Estados", acrescentou o Presidente da República.

"É um salto qualitativo em termos bilaterais ao nível de potências mundiais ou de países de grande afirmação europeia, e isto é muito significativo", salientou.

Em declarações à comunicação social, Marcelo Rebelo de Sousa enquadrou a participação de Portugal na iniciativa chinesa de investimento em infraestruturas "Faixa e Rota", declarando que a maioria dos países da União Europeia também entrou e os outros estão quase.

"Portugal foi um dos 20 países da União Europeia a subscreverem o memorando", referiu. "Portugal entrou, e de uma forma pioneira, e aquilo a que nós assistirmos é que logo a seguir entrou a maioria dos países da União Europeia. E os que não entraram ainda, estão quase a entrar - estão para entrar e com vontade de entrar", considerou.

O fórum "Faixa e Rota" decorre junto ao Lago Yanqi, 70 quilómetros a norte do centro de Pequim, e a intervenção de Marcelo Rebelo de Sousa será num painel sobre os objetivos de desenvolvimento sustentável das Nações Unidas e a promoção de uma "economia verde".

Após o fórum, e ainda antes de iniciar a sua visita de Estado à China, o Presidente da República janta hoje com dirigentes das principais empresas chinesas com investimentos em Portugal.

Em 05 de dezembro, durante a visita de Estado do Presidente da China, Xi Jinping, a Portugal, os governos português e chinês assinaram um memorando de entendimento que "estabelece as modalidades de cooperação bilateral" no âmbito da iniciativa chinesa "Uma Faixa da Rota", após meses de negociações.

O nome do documento indica que abrange "uma ampla gama de setores, com destaque para a conetividade e para a mobilidade elétrica", mas o conteúdo não foi divulgado e, segundo fontes diplomáticas, o memorando não é juridicamente vinculativo e refere que a cooperação decorrerá em respeito pelas normas internacionais e pelas obrigações decorrentes da pertença de Portugal à União Europeia e os seus princípios.

Xi Jinping pede consenso que garanta sustentabilidade do projeto “Uma Faixa, Uma Rota”

O Presidente da China, Xi Jinping, pediu hoje aos participantes no fórum "Uma Faixa, Uma Rota" para refletirem e alcançarem um consenso que garanta a "qualidade e resistência" dos projetos, numa altura de críticas à iniciativa.

"Sob o atual contexto global, marcado por uma situação económica complexa, crescente instabilidade e incerteza e falta de dinamismo, o fortalecimento da cooperação internacional para maior interconectividade torna-se mais significativo", disse.

Xi Jinping lembrou que, em dezembro passado, durante a primeira sessão do conselho consultivo da iniciativa, publicou um relatório de sugestões políticas com "opiniões valiosas" para melhorar a coordenação.

"A interconectividade é o objetivo principal da construção conjunta da ‘Faixa e Rota'", defendeu.

Xi recordou que, na primeira edição do fórum, foi alcançado esse consenso importante para a superação dos entraves ao "desenvolvimento económico" e que serve como "força motriz para o desenvolvimento" dos respetivos países.

A cooperação nesta área já "floresce e dá frutos", garantiu Xi, destacando a construção de autoestradas, linhas ferroviárias e portos.

O líder chinês acrescentou que a tarefa agora é "ampliar os interesses" e dar "passos sólidos" para garantir a "sustentabilidade e benefícios mútuos".

Xi Jinping inaugurou na sexta-feira o segundo fórum "Uma Faixa, Uma Rota", no qual participam 37 chefes de Estado ou de Governo, incluindo o Presidente da República de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa.

Bancos e outras instituições da China estão a conceder empréstimos para projetos lançados no âmbito daquele gigantesco plano de infraestruturas.

A visão geoeconómica da China inclui uma malha ferroviária e autoestradas a ligar a região oeste do país à Europa e Oceano Índico, cruzando Rússia e Ásia Central, e uma rede de portos em África e no Mediterrâneo, que reforçarão as ligações marítimas das prósperas cidades do litoral chinês.

Pelo caminho, estão a ser erguidos aeroportos, centrais elétricas e zonas de comércio livre, visando dinamizar o comércio e indústria em regiões pouco integradas na economia global.

As palavras de Xi surgem numa altura em que críticos alertam que os planos chineses subverterão a atual ordem internacional e alargarão a esfera de influência de Pequim - os países aderentes ficarão encurralados pelo investimento chinês, tornando-se Estados vassalos, permitindo à China exportar o seu excesso de capacidade industrial ou poluição.

O presidente do Banco do Povo Chinês (banco central), Yi Gang, afirmou na sexta-feira que o país vai trabalhar para resolver a capacidade dos Estados em cumprir os seus empréstimos.

"Precisamos de avaliar objetivamente a questão da dívida dos países", disse Yi, perante uma plateia que incluiu a diretora do Fundo Monetário Internacional, Christine Lagarde.

Os novos critérios de financiamento, definidos pelo ministério chinês das finanças e do banco central chinês, destinam-se a atrair parceiros de investimento estrangeiro, visando aliviar as preocupações quanto à capacidade dos países aderentes cumprirem com as suas dívidas.

A China deverá agora levar em conta a dívida total e a capacidade de financiamento na moeda local do respetivo país e tornar públicos os detalhes dos contratos.

Lagarde considerou estas mudanças um "passo bem-vindo".

Nas vésperas do fórum, Pequim resolveu algumas das disputas relacionadas projetos, que ameaçavam prejudicar a reputação da iniciativa.

A Malásia negociou uma redução equivalente a 5,4 mil milhões de dólares para a construção de uma linha ferroviária na costa leste, de 668 quilómetros de comprimento, que liga a costa ocidental do país aos estados rurais do oeste.

A Etiópia, que tem tido dificuldades em pagar um empréstimo avaliado em 4 mil milhões de dólares, contraído para construir uma ligação ferroviária entre Adis Abeba e o Djibuti, entrou também num processo de reestruturação da dívida.

No Sri Lanka, um porto de águas profundas construído por uma empresa estatal chinesa, numa localização estratégica no Índico, acabou por ser um gasto incomportável para o país, que teve de entregar a concessão da infraestrutura e dos terrenos próximos à China, por um período de 99 anos.

Lisboa quer incluir uma rota atlântica no projeto chinês, o que permitiria ao porto de Sines conectar as rotas do Extremo Oriente ao oceano Atlântico, beneficiando do alargamento do canal do Panamá.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.