"Muitas vezes falamos de uma miséria económica e financeira, mas também há miséria moral, que muitas vezes as acompanha. Esta miséria moral, por si só, merece uma reflexão”, declarou aos jornalistas à margem de uma visita ao Museu dos Coches.

O Presidente da República defendeu ainda a necessidade de se pegar nos casos mais "mediáticos e chocantes"  — "estes casos são chocantes em qualquer sociedade" — para se "retirar lições para proteger e acompanhar as crianças".

"Não sabemos se não há muitos mais idênticos a este", acrescentou, apesar de ter dito não querer comentar "situações concretas".

"Eu não queria referir-me a casos concretos, dolorosos, muito dolorosos. Queria só dizer que é uma preocupação de todos os portugueses há muito tempo o cuidado com as crianças, a proteção das crianças, o acompanhamento daquelas que estão mais frágeis, mais dependentes, portanto, mais suscetíveis de ser exploradas", afirmou o Presidente da República.

"O que é que pode justificar que pessoas vão tão longe em qualquer situação, em qualquer sociedade, não medindo que estão de repente a sacrificar o que há de mais sagrado, que é o respeito da dignidade da pessoa, sobretudo da pessoa mais frágil, que é uma criança", acrescentou.

Questionado sobre o que pode ter falhado neste caso, Marcelo Rebelo de Sousa respondeu que não iria dizer mais nada sobre o caso.

A Polícia Judiciária (PJ) deteve hoje três pessoas suspeitas do homicídio da menina de 3 anos.

As três pessoas detidas são uma mulher a quem a mãe da criança devia dinheiro, inicialmente identificada como ama, e o marido e a filha desta suspeita, segundo a PJ. Os três detidos são suspeitos dos crimes de rapto, extorsão, ofensas à integridade física e homicídio qualificado.

O coordenador da PJ de Setúbal, João Bugia, disse hoje à Lusa que a mãe da menina, de 3 anos, e o padrasto foram também ouvidos durante a noite por esta polícia, mas não foram constituídos arguidos.

Num comunicado divulgado ao início da manhã de hoje, a PJ tinha referido apenas as detenções um homem de 58 anos e duas mulheres de 52 e 27 anos, sem identificá-los.

A morte da menina ocorreu na segunda-feira, depois de a mãe ter ido buscá-la a casa da suspeita, identificada pela progenitora às autoridades como ama da criança.

De acordo com a mãe, a menina esteve cinco dias ao cuidado da mulher e tinha sinais evidentes de maus-tratos, como hematomas, pelo que foi chamada a emergência médica.

A criança foi assistida na casa da mãe e transportada ao Hospital de São Bernardo, onde foi sujeita a manobras de reanimação, mas não sobreviveu aos ferimentos.

Segundo João Bugia, a mãe da menina foi “ardilosamente enganada” e levada a entregar a filha por conta de uma dívida de 400 euros que tinha para com a suspeita.

Nos cinco dias em que a criança permaneceu na casa dos detidos, terá sofrido maus-tratos severos.

João Bugia revelou ainda que, apesar de haver algumas suspeitas iniciais de eventuais agressões sexuais contra a criança, esses indícios não foram confirmados na autópsia realizada na quarta-feira.

O coordenador indicou que os suspeitos serão presentes a tribunal hoje à tarde ou na sexta-feira.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.