“É preciso levar a investigação até ao fim, demore o tempo que demorar, independentemente do número de casos que houver e daí retirarem as ilações. Acho que a comunidade portuguesa e as várias instituições, no caso também da Igreja Católica, devem retirar as conclusões desse procedimento do passado”, apontou Marcelo Rebelo de Sousa.

No final da cerimónia de inauguração da 630.ª edição da Feira de São Mateus, que vai decorrer na cidade de Viseu até 21 de setembro, o Presidente da República sublinhou aos jornalistas de que não há nada mais importante para as instituições do que o apuramento da verdade.

“O que mata as instituições é o medo de apurar a verdade e vão apodrecendo. A capacidade de descobrir, denunciar, punir é uma capacidade de instituições vivas e de um Estado de direito vivo”, referiu.

Marcelo Rebelo de Sousa sublinhou ainda que, como acontece sempre em atividades que se consideram que possam vir a ser criminosas, ou foram criminosas, devem ser investigadas.

“Devem ser investigadas pela Comissão, chegando à Comissão, devem ser investigadas pelo Ministério Público, isto é, pelas autoridades judiciais para procederem em conformidade. É assim num Estado de direito, é assim que deve ser”, concluiu.

De acordo com uma notícia publicada ontem pelo jornal Expresso, o bispo da Guarda, Manuel Felício, e o bispo emérito de Setúbal, Gilberto Reis, são suspeitos de encobrimento, havendo também outros casos.

“Há pelo menos mais dois bispos que, além de Manuel Clemente, terão tido conhecimento de queixas de abusos por parte de padres e que não comunicaram essas suspeitas quer à Polícia Judiciária quer ao Ministério Público, as autoridades civis com competência para investigar este tipo de crimes”, informou o semanário.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.