A concentração começou às 15:30 no alto do Parque Eduardo VII, em Lisboa, com mensagens e músicas críticas às restrições e, seguidamente, os participantes na marcha começaram a descer em direção ao Marques de Pombal, percorrendo, neste momento, a Avenida da Liberdade.

A marcha, feita sob a palavra de ordem “Ditadura não, Liberdade sim”, na qual poucas ou nenhumas são as pessoas que utilizam máscaras e que respeitam o distanciamento físico, terminará no Terreiro do Paço, com a intervenção de sete oradores.

A polícia está a enquadrar a manifestação que, nesta altura, ocupa as duas faixas da Avenida da Liberdade onde são dezenas os cartazes empunhados com palavras de ordem como “A vida começa onde o medo acaba”, “Sim à verdade, liberta-te!” ou “Tenho direito a escolher os riscos que quero correr”.

A iniciativa, idêntica à realizada em 20 de março passado, é promovida pela World Wide Demonstration – Rally For Freedom, e conta com a participação das organizações não-governamentais Somos Humanidade, Defender Portugal e Habeas Corpus.

Um dos organizadores disse à agência Lusa que “a iniciativa parte de ativistas da paz”, que “são pacifistas, mas não passivos”, sublinhando esperar que não haja incidentes de “outro tipo de movimentos que cavalguem a marcha”.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.