De acordo com os dados, o maior número de partos foi registado em outubro, totalizando 362, mais 30,2% do que em 2022, seguido de novembro, como 343 (+32,4%), de setembro, com 340 (+26,4%), de agosto, com 336, mais 24,4%, julho, com 329 (+23,2%).

Nos primeiros três dias de dezembro foram registados 36 partos, mais nove comparativamente ao mesmo período de 2022.

A Direção Executiva do Serviço Nacional de Saúde lançou em junho a operação ‘Nascer em segurança no SNS’, que implica um modelo de funcionamento rotativo em vários serviços e urgências hospitalares da mesma área geográfica devido à falta de médicos para assegurar as escalas nos serviços de urgência.

Desde então, a Maternidade Alfredo da Costa tem vindo a receber um maior número de grávidas.

Em declarações à agência Lusa, a enfermeira diretora do CHULC, Maria José Costa Dias, adiantou que os constrangimentos nos serviços de urgências nos hospitais têm provocado “um aumento da afluência muito significativo na Maternidade Alfredo da Costa e no Hospital de Dona Estefânia”.

“Estamos com números bastante aumentados de afluência, quer de crianças, quer de grávidas, que nos deixam também bastante preocupados”, disse Maria José Costa Dias.

Entre 3 de novembro e 3 de dezembro deste ano, o hospital pediátrico D. Estefânia atendeu 8.872 crianças e jovens, segundo os dados, sendo o dia 13 de novembro foi que registou o maior número de atendimentos, totalizando 378.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.