Em resposta à agência Lusa, o Ministério afirma que “não há nem nunca houve qualquer prática de intimidação da tutela ou do conselho diretivo do IRN sobre os trabalhadores ou de colocar em causa o seu legítimo direito à greve”.

O Sindicato Nacional dos Registos considera que o pedido de parecer sobre a greve à Procuradoria Geral da República por parte ministra da Justiça, que tutela o instituto, é “uma tentativa de condicionar o direito constitucional à greve.

Numa informação hoje enviada à Lusa, o Ministério afirma que disse ao sindicato que tinha pedido o parecer ao Conselho Consultivo da Procuradoria Geral da República.

No pedido de parecer questiona-se se os trabalhadores dos registos "podem, durante o assinalado período de três meses, interromper o trabalho e retomá-lo as vezes e pelo tempo que desejarem - por dia, dias ou até horas - durante o período coberto pelo pré-aviso decretado pelo SNR".

“Não se compreende esta posição relativamente a esta greve quando no passado foram convocadas, por outras estruturas sindicais, greves por tempo indeterminado", diz o SNR, lamentando que haja institutos públicos e ministérios a terem comportamentos de "democraticidade duvidosa".

Queixa-se ainda de que o IRN colocou inspetores em alguns serviços externos a inquirir os trabalhadores que aderiram à greve dos dias 30 de julho e 03 de agosto últimos, numa "clara intimidação para a greve decretada agora e a decorrer até ao final do ano".

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.