“O risco de atingir Montemor-o-Velho, que nunca é nulo, é, neste momento, muitíssimo reduzido. Ontem [no domingo] estivemos já em obra a reforçar pontos mais frágeis. Nos sítios das ruturas não temos maneira de fazer chegar as máquinas. Aguardamos agora que o terreno vá secando e quero acreditar que, em dois meses, aqueles diques estão completamente reparados”, afirmou João Pedro Matos Fernandes aos jornalistas, no Porto, à margem da cerimónia dos 70 milhões de passageiros do Metro.

O ministro notou que os diques suportaram uma pressão de água muito superior àquela para a qual tinham sido projetados e frisou que “a situação não foi mais grave pelo extraordinário trabalho de manutenção” realizado no local, nomeadamente com o investimento de “cinco a seis milhões de euros”.

Este valor, explicou, foi gasto “a limpar leitos periféricos e com a obra de desassoreamento do Mondego frente à cidade Coimbra que a Quercus contesta”.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.