Uma equipa de biólogos norte-americanos e australianos encontrou uma única abelha gigante Wallace (Megachile pluto) dentro de um ninho de térmitas numa árvore, a mais de dois metros do solo, conta o The Guardian.

“Foi absolutamente deslumbrante ver este inseto que já não tínhamos a certeza se existia”, disse Clay Bolt, um fotógrafo especializado que obteve as primeiras imagens da espécie viva. "Ver o quão bela e grande a espécie é na realidade e ouvir o som das suas asas gigantes a bater quando passou por mim foi simplesmente incrível".

A abelha gigante — a fêmea pode medir cerca de quatro centímetros de comprimento — foi descoberta em 1858 pelo explorador britânico Alfred Russel Wallace, na ilha tropical indonésia de Bacan. A abelha fêmea foi descrita como "um inseto grande, parecido com uma vespa preta, com grandes mandíbulas como uma vaca-loura [escaravelho]".

A última vez que a espécie tinha sido vista por cientistas foi em 1981. Na época, Adam Messer, um entomologista [biólogo especialista em insetos] norte-americano, encontrou-a em três ilhas indonésias, tendo registado o comportamento do animal: a abelha usa as mandíbulas para recolher resina e madeira para as suas colmeias à prova de térmitas.

“Espero que esta redescoberta leve a novas investigações, que nos ajudarão a entender melhor esta abelha única e a protegê-la”, disse Eli Wyman, entomologista da universidade de Princeton, Estados Unidos, e que fazia parte do grupo que voltou a encontrar a abelha.

Robin Moore, biólogo da Global Wildlife Conservation, que dirige o programa "The Search for Lost Species" [Procura por Espécies Desaparecidas, numa tradução livre], manifestou-se sobre o potencial perigo de dar a conhecer a descoberta. "Sabemos que divulgar esta redescoberta pode parecer um grande risco, dada a procura, mas a realidade é que colecionadores sem escrúpulos já sabem que a abelha está por aí", referiu.

Segundo a Red List, que apresenta as espécies em perigo de extinção ou já extintas, a abelha gigante Wallace é uma espécie "vulnerável".

[Notícia atualizada às 22h39]

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.