“Sem esta barreira, seríamos confrontados com graves ataques de terroristas do Sinai e, pior, com uma chegada maciça de imigrantes africanos ilegais”, disse Netanyahu numa conferência sobre o desenvolvimento do sul de Israel.

Segundo dados do Ministério do Interior israelita, 42.000 migrantes africanos vivem em Israel, especialmente sudaneses e eritreus.

A maioria chegou ao país depois de 2007, a partir do Sinai (Egipto).

O governo de Netanyahu tem em preparação um polémico plano para expulsar milhares de migrantes que entraram ilegalmente no país.

“Falamos de um Estado judeu e democrático, mas como podemos assegurar que se mantém judeu com 50.000 ou 100.000 migrantes anualmente?”, questionou Netanyahu.

“Um milhão, um milhão e meio e podemos fechar a loja”, acrescentou.

O governo israelita aprovou em 2010 a construção da barreira eletrónica entre o Egipto e Israel para impedir a passagem de migrantes ilegais, o tráfico de droga e de armas e as “infiltrações terroristas”.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.