Foi o condado de Rockland  que notificou as autoridades sobre o casamento planeado para a próxima segunda-feira em Williamsburg, Brooklyn. "Fomos informados de que estava a acontecer. Fizemos uma investigação e descobrimos que possivelmente era verdade. Havia um grande casamento planeado que violaria as regras de reuniões", disse Cuomo numa conferência de imprensa.

Segundo a imprensa local, tratava-se de um casamento importante na comunidade de judeus ortodoxos.

À semelhança de outras cidades e países, a fase quatro do plano de reabertura de Nova Iorque limita as reuniões sociais a um máximo de 50 pessoas. Para eventos religiosos dentro de templos, a capacidade deve ser limitada a 33% da capacidade total.

Elizabeth Garvey, conselheira de Cuomo, disse aos jornalistas que "mais de 10.000 pessoas planeavam comparecer" ao casamento.

"Podem casar-se, mas não podem convidar mil pessoas para o casamento. No final do dia consegue-se o mesmo resultado. E é mais barato também!", brincou o governador.

Nova Iorque foi o epicentro nacional da pandemia de coronavírus na primavera, que deixou mais de 23.800 mortos na cidade.

A situação acabou controlada, mas nas últimas semanas a taxa de testes positivos aumentou em alguns bairros da cidade e nos subúrbios, especialmente em áreas com uma forte população de judeus ortodoxos.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.