“O Novo Banco ao longo de 2021 tinha todos os instrumentos e teve todos os instrumentos para garantir que o mecanismo contingente de capital não é acionado neste momento e eu acho que isso é fácil de demonstrar e daí a nossa expectativa de que não vai haver nenhuma injeção de capital este ano no Novo Banco”, afirmou o responsável do Banco de Portugal (BdP), em entrevista ao Observador.

O Novo Banco anunciou, em 9 de março, que vai pedir mais uma injeção de capital de 209 milhões de euros ao Fundo de Resolução (FdR) relativa a 2021, justificando a necessidade com o impacto do novo regime de contabilidade e com uma contingência relacionada com tributação dos seus imóveis.

“Face aos três ingredientes mais importantes que aconteceram em 2021 que foram os lucros, o fim do período de reestruturação do ponto de vista técnico e a nova imagem corporativa que, e bem, o Novo Banco decidiu lançar, tudo isto leva-me a ter uma convicção grande de que o acionamento do mecanismo não se justifica face à realidade do banco em 2021”, justifica Mário Centeno.

Questionado pela Lusa sobre o pedido da instituição liderada por António Ramalho, fonte oficial do FdR disse, em 9 de março, que “não é devido qualquer pagamento relativamente às contas do exercício de 2021”.

Na longa entrevista ao Observador, divulgada na noite de sexta-feira, o governador do BdP admite ainda que o regulador irá rever em baixa de mais quatro décimas as perspectivas de crescimento económico para este ano, nas previsões que serão divulgadas na próxima quinta-feira, dia 24 de março.

Mário Centeno defende também, mais uma vez, que a prioridade do próximo Governo deve ser a redução da dívida pública.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.