O deputado único do Chega foi recebido com aplausos e gritos de “Ventura, Ventura”, quando se juntou à manifestação das forças de segurança em frente ao parlamento, e, num curto discurso, garantiu-lhes que continuará a lutar pelos seus direitos.

Envergando uma 't-shirt' do movimento Zero, com a qual já tinha assistido ao plenário da Assembleia da República, André Ventura desceu à manifestação, discursou no sistema de som da organização e circulou entre os manifestantes, sendo aplaudido.

“Infelizmente isso aconteceu”, comentou o líder da APG/GNR, pouco depois de André Ventura ter falado ao microfone no palco montado para os discursos dos dirigentes sindicais.

“Eu percebo que os manifestantes que são apoiantes do deputado André Ventura quisessem ouvir algumas palavras. Já não entendemos é como é que o deputado utilizou uma manifestação que é apartidária, é dos polícias, para usar da palavra”, disse César Nogueira em declarações aos jornalista da RTP. “Não o deveria ter feito”, reforçou.

A PSP e a GNR saem à rua hoje. Será mesmo a "maior manifestação" de sempre? Dez perguntas e respostas para perceber o protesto
A PSP e a GNR saem à rua hoje. Será mesmo a "maior manifestação" de sempre? Dez perguntas e respostas para perceber o protesto
Ver artigo

Discursando aos manifestantes, André Ventura, disse que estes mostraram que "a polícia unida jamais será vencida".

"Não queriam que aqui viesse, montaram uma barreira para impedir-nos de falar", afirmou, numa referência às barreiras de cimento que reforçaram as barreiras de ferro que costumam separar os manifestantes da escadaria da Assembleia da República.

André Ventura disse que vai "continuar a lutar por que os polícias e as forças de segurança tenham as melhores condições possíveis".

A sua curta intervenção terminou com gritos de "Viva a polícia, Viva Portugal".

A organização tinha enviado, na convocatória da manifestação, um apelo a todos os participantes “para não exibirem ou fazerem apologia a ideologias políticas”.

“O pretendido é ter o apoio lá dentro, na casa da democracia”, disse César Nogueira esta tarde, expressando que a organização estava aberta para receber os deputados e "até para trocar umas palavras" com os representantes dos partidos.

"Agradece-se a todos os partidos políticos ou deputados da Assembleia da República todo o apoio ou solidariedade já demonstrada, mas apelamos a que esse apoio seja demonstrado diretamente e exclusivamente nos debates e na pressão política dentro da AR e junto das entidades responsáveis", tinham indicado as entidades organizadoras da manifestação na convocatória.

O deputado do CDS-PP Telmo Correia e a líder parlamentar do PAN, Inês Sousa Real, desceram à manifestação, sendo que o BE, o PCP e a Iniciativa Liberal já tinham saudado os manifestantes anteriormente, mas numa altura em que ainda estavam concentrados na praça Marquês de Pombal, em Lisboa.

Elementos da PSP e da GNR manifestaram-se hoje em Lisboa para pressionarem o novo Governo a cumprir as reivindicações da classe e as promessas do anterior executivo, num protesto que se iniciou no Marquês do Pombal e culminou com uma concentração junto à Assembleia da República.

A manifestação organizada pela Associação Sindical dos Profissionais da Polícia (ASPP/PSP) e a Associação Profissionais da Guarda (APG/GNR) foi recebida em São Bento com um forte dispositivo policial e grades reforçadas com blocos de betão.

*Com agência Lusa

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.