Esta investigação transcultural pretende “aumentar a compreensão dos fatores que dificultam ou ajudam os pais e mães a lidar com o stresse resultante da necessidade de conciliarem múltiplas tarefas em situação de confinamento”, refere a UC, numa nota enviada hoje à agência Lusa.

As implicações da pandemia, “especificamente o confinamento a casa, o isolamento social, o encerramento das creches, jardins-de-infância e escolas, o teletrabalho, o ‘lay-off’ e os despedimentos vieram colocar novos desafios ao exercício da parentalidade e da coparentalidade”, afirma a investigadora Maria Filomena Gaspar.

Investigadora do Centro de Estudos Sociais (CES) e professora da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da UC (FPCEUC), Maria Filomena Gaspar coordena o estudo em Portugal, em conjunto com Anne Maria Fontaine, professora emérita da Universidade do Porto.

Estes desafios, acrescenta a especialista em psicologia da educação da UC, “resultam das múltiplas tarefas que têm de conciliar (funções parentais habituais, apoio ao ensino escolar em casa, trabalho em casa, aumento das horas despendidas em tarefas domésticas), numa situação de confinamento que é nova e, para muitos pais, acompanhada de grandes desafios financeiros e da antecipação de dificuldades no futuro”.

A equipa de investigadores solicita, entretanto, a participação de pais e mães neste estudo, através do preenchimento do questionário disponível aqui.

É feito um apelo especial aos pais para responderem, “pois habitualmente são as mães que mais participam neste tipo de investigação, o que gera uma lacuna na compreensão da satisfação e exaustão parental dos homens” (a única condição é ter pelo menos um filho(a) a viver em casa, qualquer que seja a idade).

“Há fatores que podem ajudar os pais e mães a lidar com o stresse resultante da necessidade de conciliarem múltiplas tarefas em situação de confinamento, enquanto outros podem dificultar”, sublinha, citada pela UC, Maria Filomena Gaspar.

“No primeiro grupo inclui-se a existência de um/a companheiro/a que partilha as tarefas e de momentos em que os pais/mães se autocuidam, por exemplo, enquanto no segundo grupo podemos considerar a existência de uma criança com problemas de comportamento ou hiperatividade ou uma mãe/pai muito autoexigente consigo mesmos”, explica a investigadora.

Este é o segundo grande estudo conduzido pelo consórcio internacional que investiga o ‘burnout’ parental (IIBP: Internacional Investigation of Parental Burnout) e que é liderado por Isabelle Roskam e Moïra Mikolajczak, da Universidade de Louvain, na Bélgica, refere a UC.

O objetivo deste grupo de cientistas é estudar a validade conceptual, prevalência e variação intercultural do ‘burnout’ parental em todo o mundo.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 224 mil mortos e infetou mais de 3,1 milhões de pessoas em 193 países e territórios.

Em Portugal, morreram 973 pessoas das 24.505 confirmadas como infetadas, e há 1.470 casos recuperados, de acordo com a Direção-Geral da Saúde.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.