"Aquilo que pode e deve ser determinante para o futuro da EDP é a recuperação do controlo público da empresa elétrica nacional, disse Jerónimo de Sousa, reagindo assim à Oferta Pública de Aquisição (OPA) sobre o capital da EDP lançada na sexta-feira pela China Three Gorges.

Para o líder do PCP, "uma empresa que é estratégica para os interesses nacionais, da qual depende grande parte da economia portuguesa, tal como o conjunto de equipamentos e funções públicas, não pode estar sujeita à disputa por parte de grupos económicos ou de Estados estrangeiros sobre o seu controlo acionista".

"Aquilo que o país precisa é que as suas empresas estratégicas, em vez de estarem nas mãos de grupos económicos americanos, alemães, franceses, espanhóis ou chineses, estejam nas mãos do Estado português, para servir o povo, para servir o desenvolvimento do país", acrescentou.

Na sexta-feira à noite, a China Three Gorges (que já é o maior acionista da EDP, com 23,27% do capital social) lançou uma Oferta Pública de Aquisição voluntária sobre o capital da EDP, oferecendo uma contrapartida de 3,26 euros por cada ação, mais 4,82% face ao fecho do mercado na sexta-feira, de 3,11 euros.

Os títulos da EDP encerraram o dia de negociações de sexta-feira a ganhar 0,75%, nos 3,11 euros, antes de a negociação ser suspensa pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), que aguardava informações relevantes da OPA.

Segundo o anúncio preliminar de lançamento da OPA, a China Three Gorges oferece uma contrapartida de 3,26 euros por ação, avaliando, assim, a EDP em cerca de 11,9 mil milhões de euros.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.