O Governo rejeitou hoje que a expansão do aeroporto de Lisboa seja para aumentar os movimentos por hora, assegurando que a ideia é pôr a infraestrutura a funcionar com fluidez, permitindo a eliminação de voos no período noturno.

“Caminharmos para zero voos no período noturno” é o objetivo, afirmou o ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, referindo que esta é “uma exigência justa” do presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina.

Em declarações à Lusa, a deputada do PAN Cristina Rodrigues disse que esta foi “uma grande vitória” para o grupo parlamentar e um “passo importante”.

Portanto, “foi com grande satisfação que tomámos conhecimento e ouvimos o senhor ministro [das Infraestruturas] afirmar que, efetivamente, está a ser feito um caminho para terminar com os voos noturnos. Há aqui o reconhecimento de que há um problema e que tem que ser resolvido”, acrescentou.

Cristina Rodrigues sublinhou ainda que a lei do ruído proíbe os voos em horário noturno, mas admite exceções, que se têm vindo, “lamentavelmente, a tornar regra”.

A isto, conforme acrescentou, junta-se o facto de Lisboa ser um dos aeroportos que está mais próximo das populações, provocando um “impacto muito grande” para os residentes.

Por outro lado, a deputada vincou que, apesar deste passo, “falta coragem” para alterar o projeto do Montijo, garantido que o partido vai continuar a levar ao plenário e às audições parlamentares o tema, sempre que assim seja possível.

Numa audição parlamentar na Comissão de Economia, Inovação, Obras Públicas e Habitação, o ministro das Infraestruturas indicou hoje que o aeroporto Humberto Delgado regista “40 movimentos por hora” e que o projeto de expansão não é para aumentar a movimentação.

“O que precisamos é de modernizar o nosso aeroporto para que possa funcionar com a fluidez que hoje não tem”, apontou o governante, considerando que esta é uma “grande imperfeição” no atual aeroporto de Lisboa.

Assim, as obras no aeroporto podem permitir dar condições para a “eliminação dos voos noturnos”, nomeadamente evitando atrasos nos voos e até anulando movimentos noturnos que estão previstos na lei, indicou Pedro Nuno Santos.

Na terça-feira, o presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, assegurou que o município não tolerará o regresso dos voos noturnos no aeroporto Humberto Delgado, considerando que tal decisão seria “absolutamente inaceitável”.

“Não toleraremos de novo o regresso dos voos noturnos na cidade de Lisboa, não toleraremos”, afirmou Fernando Medina, na reunião da Assembleia Municipal que decorreu na tarde de terça-feira.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.