Entre os 11,5 milhões de documentos revelados, alguns correspondem à empresa DCB Finanças, com endereço legal em Pyongyang e registrada em 2006 nas Ilhas Virgens Britânicas pelo escritório panamenho, revelam nesta terça-feira o jornal britânico The Guardian e a BBC. Precisamente em 2006 a Coreia do Norte realizou o seu primeiro teste nuclear, o que lhe valeu a primeira de uma série de sanções do Conselho de Segurança das Nações Unidas.

A DCB Finanças foi registada nas Ilhas Virgens pelo cidadão norte-coreano Kim Chol-Sam e pelo banqueiro britânico Nigel Cowie, que se tinha instalado na Coreia do Norte onze anos antes. Cowie dirigia o Daedong Credit Bank, primeira entidade financeira estrangeira na Coreia do Norte e da qual a DCB Finanças era uma filial.

A Mossack Fonseca deixou de representar a DCB em 2010, quando a agência de investigação financeira das Ilhas Virgens Britânicas enviou um email ao escritório pedindo informações sobre esta empresa com domicílio legal na Coreia do Norte. Cowie, que nega ter conhecimento de qualquer atividade ilegal da DCB, vendeu a sua participação no Daedong Credit Bank a um consórcio chinês em 2011. O Daedong Credit Bank, a DCB Finanças e o norte-coreano Kim Chol-Sam foram alvo de sanções dos Estados Unidos a partir de 2013, como suspeitos de prestar serviços financeiros a entidades norte-coreanas a partir de 2006, tendo um "papel central" na obtenção de fundos para o desenvolvimento de programas nucleares e de mísseis. 

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.