O Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação (ICIJ), que esteve na origem das revelações, precisou num comunicado que o Reino Unido foi o país que maior quantidade de dinheiro recuperou, designadamente 252 milhões de dólares, seguido pela Alemanha, com 193 milhões de dólares, e pela França, com 136 milhões de dólares.

O número total é “suscetível de aumentar”, sublinha o ICIJ num comunicado.

“Os ‘Papéis do Panamá’ não só terão permitido aos governos recuperarem fundos escondidos (…), como também permitiram, a mais longo prazo, modificar comportamentos e atitudes dos cidadãos”, congratula-se o Consórcio no comunicado.

A divulgação pela imprensa internacional do escândalo dos “Panama Papers”, um vasto sistema de evasão fiscal orquestrado pelo escritório de advogados Panama Mossack Fonseca, mobiliza há três anos a justiça em numerosos países.

A investigação, realizada por uma centena de jornais, revelou a presença em paraísos fiscais de bens detidos nomeadamente por 140 responsáveis políticos, estrelas do futebol ou milionários, provocando uma onda de choque mundial.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.