“Continuamos a rezar pela paz na Ucrânia e em todas as partes do mundo”, disse o chefe da Igreja Católica após a tradicional oração do Angelus no Vaticano, pedindo aos “chefes das nações e das organizações internacionais para que reajam à tendência de acentuar o conflito e a oposição”.

Francisco afirmou que “o mundo precisa de paz”, mas “não de uma paz baseada no equilíbrio de armamentos e no medo recíproco” porque “isso remonta à história de há 70 anos”.

O pontífice destacou que a crise ucraniana não deveria ter acontecido, mas instou a que se converta “num desafio entre sábios estadistas capazes de construir, com o diálogo, um mundo melhor para as novas gerações”.

O Papa assegurou que um mundo melhor é sempre possível, no entanto para isso “tem que se deixar para atrás as estratégias dos poderes políticos, económicos e militares e se concentrar num projeto de paz global”.

“Não a um mundo dividido entre potências em conflito, sim a um mundo unido entre povos e civilizações que se respeitam”, foi o apelo de Francisco, que surge três dias depois do final da cimeira de líderes da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO), que decorreu em Madrid (Espanha).

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.