Numa pergunta dirigida a José Luís Carneiro através da Assembleia da República, a deputada do PCP Alma Rivera refere que, desde que foi aprovado em Conselho de Ministros o novo suplemento de missão para a Polícia Judiciária (PJ), em 29 de novembro, “têm surgido várias notícias que apontam para aumentos remuneratórios para as carreiras da PJ que podem rondar os 700 euros por mês por via do suplemento de missão”.

“Para o PCP, a valorização salarial é indispensável. O que não pode acontecer é a manutenção das forças policiais com condições salariais inconcebíveis, como acontece com a Guarda Nacional Republicana (GNR) ou a Polícia de Segurança Pública (PSP)”, defende o PCP.

O partido refere que a atual situação “tem gerado indignação junto dos profissionais da PSP e da GNR, que há muito reivindicam uma revisão dos valores dos respetivos suplementos remuneratórios, particularmente do suplemento de risco, significativamente inferior ao valor citado”.

“O Grupo Parlamentar do PCP salienta que tem insistido na necessidade da valorização remuneratória dos profissionais das forças e serviços de segurança”, refere-se.

Neste contexto, o partido pergunta a José Luís Carneiro “porque motivo há uma disparidade tão grande da PSP e da GNR face à PJ quanto a suplementos que visam compensar a exposição a fatores da mesma natureza”.

“Porque motivo não são igualmente revistos os suplementos remuneratórios dos profissionais da PSP e da GNR?”, questionam ainda.

Na quarta-feira, os sindicatos da PSP e associações da GNR decidiram realizar várias manifestações, com início hoje, no Porto, onde decorreu a reunião do Conselho de Ministros, para exigir um suplemento idêntico atribuído aos elementos da PJ.

Os sindicatos e associações destas forças de segurança criticam o que consideram ser o tratamento desigual e diferença de rendimentos em relação à PJ.

Em causa está o facto de o Governo ter aprovado, na semana passada, o pagamento de um suplemento de missão para as carreiras da PJ, que, em alguns casos, pode representar um aumento de quase 700 euros por mês.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.