"O Governo [português] já admitiu que há problemas. Há pelo menos três anos que andamos a reivindicar estas ações. O Governo foi negligente, incompetente e conivente", disse hoje à agência Lusa, Mário Costa, do Movimento de Pescadores pelo Tejo, explicando que a queixa judicial se estende à empresa Celtejo, "por prevaricação deliberada".

Este responsável explicou que houve uma empresa de advogados que lhes disponibilizou apoio juridico "pro bono", sendo que a ação, que tem como base uma década de inatividade, foi enviada para Estrasburgo e aceite na quinta-feira.

Mário Costa adiantou que o arrastar de toda esta situação teve um impacto social "muito grande" na comunidade piscatória do rio Tejo, que em 2012 era constituída por cerca de 1.091 pescadores e atualmente restam 46, sendo que destes, apenas meis dúzia ainda consegue "tirar sustento" do rio.

"Retirou-nos o nosso sustento. Há famílias desfeitas, pescadores com carros, casas e barcos penhorados", afirmou.

Mário Costa explicou que vão aguardar pela "atribuição de responsabilidades" e sublinhou que caso lhes seja dada razão no Tribunal Europeu dos Direitos do Homem, os pescadores estão dispostos a contribuir para o repovoamento e a recuperação da fauna piscícola autóctone do rio Tejo.

"O uso de parte dessa verba é um investimento em nós próprios", frisou.

Este responsável do Movimento de Pescadores pelo Tejo realçou que era importante que o Ministério do Ambiente conseguisse um protocolo com a EDP, no sentido de abrir as barragens de Fratel e de Belver para limpar os sedimentos que ali estão depositados.

"É urgente que o Ministério do Ambiente ordene a abertura do Fratel e de Belver [barragens] e negoceie com Espanha a vinda de mais água, para limpar os sedimentos e retirar a matéria anaeróbica para a matéria aeróbica se instalar", sustentou.

Já em relação à Celtejo, Mário Costa sublinhou que os pescadores não querem o prejuízo da fábrica, mas entendem que esta pode fazer muito mais pelo próprio rio.

O presidente da Agência Portuguesa do Ambiente (APA) revelou na quarta-feira, que a carga poluente que afetou o rio Tejo na zona de Abrantes, a 24 de janeiro, teve origem nas descargas da indústria da pasta de papel.

No dia 26 de janeiro, dois dias após um novo episódio de poluição no rio Tejo, o ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, anunciou várias medidas para travar o problema, que incluiram a redução da atividade da Celtejo e a retirada de sedimentos contaminados do fundo das albufeiras.

Em 2016, o Movimento de Pescadores pelo Tejo promoveu uma manifestação de protesto contra a poluição no Tejo e para sensibilizar as empresas e as entidades competentes para o drama dos pescadores do Tejo, "que estavam a acabar", e anunciou uma "uma ação judicial, por uma década de inatividade e de prejuízos, cujo valor a reclamar rondava os 50 milhões de euros".

[Notícia atualizada às 21:51]

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.