“O CDS teve oportunidade de dizer, várias vezes, que em equipa vencedora não se deve mexer e por isso fomos sempre favoráveis à recondução da atual procuradora, Joana Marques Vidal, pelo trabalho que fez, pelo mandato que desempenhou, por ter demonstrado sempre independência, isenção, imparcialidade e estar acima de qualquer pressão”, anunciou Assunção Cristas.

À chegada à Quinta da Pacheca, em Lamego, a líder centrista defendeu que “deveria ter havido mais audições, aos partidos”.

Cristas lembrou que desde 2010 que o CDS defende que “deve haver um maior escrutínio nestas escolhas, nomeadamente, através de audições públicas a realizar no parlamento”.

“Sabemos que isso precisa de uma revisão constitucional e, certamente, nos estudos que estamos a fazer para a reforma da Justiça esse aspeto será considerado, de novo, como uma proposta do CDS”, assumiu.

Sobre a nova procuradora e tendo em conta que pertencia à equipa de Joana Marques Vidal, Assunção Cristas disse esperar “que possa continuar esse espírito que foi o espírito protagonizado pela doutora Joana Marques Vidal e, portanto, ter um perfil de isenção, de independência e de imparcialidade” e desejou “que corra tudo muito bem e que possa desempenhar um bom trabalho”.

Assunção Cristas falava aos jornalistas antes de dar início a uma visita a uma quinta da região demarcada do Douro para participar na vindima e no pisar das uvas no lagar e, nesse sentido, disse que era para isso que se encontrava em Lamego, recusando-se assim a comentar outros temas da atualidade.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.