O porta-voz do governo polaco, Piotr Müller, adiantou que estas medidas não podem esperar mais pelas decisões da União Europeia (UE) e por isso foram acordadas hoje em Conselho de Ministros.

As medidas propostas irão “além das sanções da UE, uma vez que estas exigem unanimidade (de todos os Estados-membros), mas na Polónia, e graças à invocação de uma cláusula de segurança, estamos a tomar medidas nacionais”, detalhou o porta-voz polaco.

A lista de personalidades e entidades que serão afetadas pelo congelamento de bens será elaborada pelo Ministério do Interior e será tornada pública nos próximos dias.

Müller explicou que a intenção do governo é “ser capaz de tomar medidas que congelem vários tipos de fundos, incluindo transferências de dinheiro, cheques, depósitos e qualquer transação que possa beneficiar a Federação Russa”.

“Também facilitará o congelamento dos recursos económicos, tanto tangíveis como intangíveis, móveis e imóveis”, disse o porta-voz.

A oposição política da Polónia tem criticado repetidamente o Governo por defender sanções económicas mais severas contra Moscovo ao mesmo tempo que continua a importar grandes quantidades de carvão russo.

Desde o início da guerra na Ucrânia, Varsóvia tem defendido a independência energética da UE face à Rússia, e foi recentemente anunciado que o contrato da Polónia com a empresa estatal russa de gás, a Gazprom, que expira no final do ano, não será renovado.

Atualmente, a Polónia importa da Rússia cerca de 55% do gás que consome anualmente e dois terços do total de carvão que compra ao exterior.

A guerra na Ucrânia, que entrou hoje no 34.º dia, causou já a fuga de mais de dez milhões de pessoas, mais de 3,9 milhões das quais para os países vizinhos, de acordo com os mais recentes dados da ONU — a pior crise de refugiados na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Segundo as Nações Unidas, cerca de 13 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia.

A invasão russa — justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de “desnazificar” e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia – foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e a imposição à Rússia de sanções que atingem praticamente todos os setores, da banca ao desporto.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.