O tribunal concedeu a Hakeem al-Araibi 60 dias para apresentar a sua defesa e provas.

"Por favor, não me mandem de volta para o Bahrein", implorou o jogador, algemado, à saída do carro que o levava para o tribunal.

Em 2017, as autoridades australianas concederam o estatuto de refugiado ao futebolista, que havia chegado ao país em 2014, fugindo do Bahrein após ter sido condenado à revelia a dez anos de prisão por danos causados numa esquadra de polícia.

Em novembro passado, Hakeem chegou a Banguecoque, acompanhado pela mulher, vindo de Melbourne, para passar alguns dias de férias, quando foi detido no aeroporto tailandês, na sequência de uma notificação da Interpol.

Embora a Interpol tenha retirado a notificação em 4 de dezembro, o jogador continua detido num centro de imigração na capital tailandesa.

Na semana passada, a organização não-governamental Human Rights Watch (HRW) lançou uma campanha internacional para a imediata libertação de Al-Araibi, de modo a permitir que regresse à Austrália.

A iniciativa surgiu depois de as autoridades do Bahrein terem considerado inaceitáveis os pedidos de libertação apresentados pela FIFA ou pelo ex-capitão da seleção de futebol australiana Craig Foster.

A Tailândia não é signatária da Convenção da ONU sobre Refugiados, de 1951, e tem sido criticada por extraditar refugiados e requerentes de asilo para países onde são alvo de perseguição e de tortura.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.